[Reflexões da leitora] Promoções que se encerram abruptamente. Cursos (aos montes) de milhas vendendo sonhos. As empresas das milhas e pontos estão preparadas para esse novo mundo rápido, dinâmico e altamente compartilhável?

A respeito dos trágicos acontecimentos das últimas semanas no mundo das milhas e pontos (ITI morrendo, Tudo Azul encerrando abruptamente a promoção de venda de lotes de 10 mil pontos por R$ 126 etc.), seguem as oportunas reflexões da leitora Renata Ribeiro:

“Você poderia comentar sobre os episódios da semana, iti, Ame, promoção do Tudo Azul que acabou repentinamente, Asics.

Tenho mais de 10 anos acumulando milhas e essa semana ficou muito nítido o quanto as empresas não estão preparadas para esse novo mundo rápido, dinâmico e altamente compartilhável.

Empresas se preparam para 1 dia de promoção e em 3/4 horas já tem que tirar do ar (Asics), ou a compra de pontos Azul que terminou 4 dias antes.

Ou a proliferação do combo ITI + PDA que todo curso de 1.000 reais vende como método para “renda extra”.

Os clientes estão saturando as empresas, sugando até a última gota…

Sei lá, essa semana foi uma semana bem estranha pra mim, talvez uma virada pra um novo momento no mercado”.

O Nuno concordou:

Essa é a sensação que eu tenho também, Renata! Antes partilhava-se nos blogs estratégias e assim, mas só tinha paciência para o assunto corria o risco de usar os serviços e otimizar os ganhos.

Hoje em dia, cada promoção é partilhada passo a passo em 200 cursos e grupos VIP como opções de renda e executada por pessoas que nem conhecem as empresas com as quais interagem. Tudo virou “renda garantida”

Conclusão

Esse não tão “admirável mundo novo” requer das empresas uma melhor análise dos impactos de suas promoções antes delas serem lançadas no mercado, pois eu duvido que elas tenham (à exceção, talvez, da Livelo) em suas equipes pessoas com o mesmo nível de expertise e know how dos melhores comentaristas desse blog, por exemplo.

A antecipação abrupta, antecipada e rápida de promoções, como essa do Tudo Azul, desgasta ainda mais a credibilidade das empresas, afastando e repelindo em grau ainda maior os poucos consumidores que ainda acreditam nelas.

Como acreditar nas empresas se elas mesmas quebram as regras que elas próprias criaram?

Paralelamente a tudo isso, os cursos que vendem sonhos também infestam o mercado, tornando as coisas ainda mais difíceis para o público final.

Enfim, o panorama atual é bastante sombrio e, com a crise econômica que o Brasil está vivendo, somada a uma alta inflação, a situação tende a piorar no mundo das milhas e pontos, com menos oportunidades de gerar milhas e pontos a custos baixos, e, do lado inversamente proporcional a tudo isso, resgates cada vez mais caros.