[Reflexões do leitor] GRU-SCL e a “Europeização” dos voos continentais na América do Sul

Segue um texto reflexivo do leitor DSP:

“Talvez o fenômeno seja mais antigo, mas comecei a reparar somente ano passado e de lá prá cá tenho achado ainda mais gritante… alguém ainda consegue achar voo GRU-SCL em aeronave widebody (com dois corredores)?

Latam acho que faz de vez em quando um no 787, mas de resto é tudo no A321 (com apenas um corredor).

Pra Buenos Aires já tem sido uma dificuldade porque o grosso do fluxo hoje vai via AEP (também narrow) e não mais EZE, mas os voos da quinta liberdade das empresas aéreas gringas (Swiss, Turkish, Emirates….) ajudam nesse quesito.

Não que seja um transtorno fazer menos de 4 horas de voo no narrow (aeronaves com um corredor), muito pelo contrário. É mais rápido que muito trecho de voo local. Equivale a um SP-CE/RN. Mais curto que ir pra muitos outros estados.

No voo a trabalho nem ligo, mas, com a família, faz diferença ter a opção do entretenimento a bordo, da experiência mais completa, indo além do simples bloqueio de assento no meio, as ‘premium’.

Me lembra a maior parte dos voos intra-europa.

Mais alguém reparou nisso?”

……………….

E você, também tem reparado nessa europeização dos voos continentais na América do Sul?