Como serão suas estratégias para maximizar o acúmulo de pontos e milhas para 2021? Dois leitores compartilham as suas, confiram.

Seguem mais duas valiosas contribuições de leitores, agora referentes à temática de acúmulo de milhas e pontos para 2021.

A primeira é do HPillsbury:

“As minhas, com o cenário atual, são:

– usar o PDA para compras do titular e adicionais – à vista ou poucas parcelas, de modo a não comprometer o limite + carteiras digitais que ainda pontuam IQ + Mercado Pago;

– usar o Latam Black até abril de 2021 (promoção pontos em dobro) para compras parceladas e ITI;

– usar o C6 Carbon para carteiras digitais, principalmente PIC PAY (compras supermercado na minha cidade) e Recarga Pay – pagamento de boletos gratuitos, e de maio em diante usar para compras parceladas grandes + ITI;

– esperar algumas promoções bonificadas para compras grandes (deixei para o ano de 2021 algumas compras pesadas que tenho que fazer aqui para casa)

Bom quanto as viagens, meu ano de 2021 já está comprado (01 nacional e 01 internacional – se a pandemia deixar), porém minha esperança é um resgate para NZ com a Latam para viajar em março/2022 e uma viagem nacional ou para América do Sul com a Gol em junho/2022.

Assim sendo, muito provavelmente não irei transferir pontos para os programas de milhagem este ano, as milhas da Gol eu já tenho (suficientes para uma viagem nacional ou barata para a Am S) e as milhas da Latam, espero conseguir com o cartão Latam Black até abril/2021.

Um feliz ano novo para todos os amigos, e que seja um ano de renovação e boas notícias! E muitos pontos e viagens para todos nós!!!”

………………………

E aqui a contribuição do leitor SwineOne:

“Tenho pensado também sobre o que fazer em 2021.

Certamente o PDA continuará como principal enquanto a sua pontuação for mantida, especialmente enquanto houver a farra do Iti, e ainda tenho sorte de tê-lo isentado por um ano.

Hoje tenho mais de 500.000 pontos no Iberia Plus. Se a tabela não mudar, é o suficiente para 3 viagens de ida e volta em executiva off-peak GRU-MAD-GRU com minha esposa, então basicamente não devo precisar de pontos novamente, para viajar para a Europa, antes do final da década (impossível viajar todo ano para a Europa com o atual câmbio do euro).

Com isso, poderia, se necessário, abandonar o cartão Santander Unique, mas não farei isso enquanto ainda conseguir isentar a anuidade (usando o Iti no adicional da minha esposa). Outra questão é que a isenção dos 50% do pacote Select valem só até dezembro.

O que pensei em fazer, e aqui peço ajuda dos colegas que tenham feito a mesma operação, é trocar o Unique Mastercard Black pelo Unique Visa Infinite. Sempre ouvi dizer que os benefícios do Visa Infinite são melhores, e além disso, o Unique Visa Infinite oferece 2 acessos a sala VIP por ano (contra nenhum do Mastercard Black), o que é o suficiente para mim.

Agradeceria se alguém pudesse relatar sobre prós e contras dessa mudança: posso transferir o limite de um para o outro? A política de isenção de anuidade é a mesma? A pontuação/metas no Bateu Ganhou são as mesmas? Etc.

De fato, o único upgrade possível que vejo para o cartão Santander Unique que tenho hoje seriam acessos gratuitos ao Lounge Key.

Para mim, o Iberia Plus é imbatível nesse momento, pela previsibilidade do programa. E tudo o que precisar nos programas brasileiros, o PDA já me atende.

Outra questão é o que fazer com meus investimentos. Sempre concentrei boa parte na XP, pelos custos baixos. Mas, pelo que soube, recentemente os bancos maiores estão reduzindo os custos também.

Então, vejo alguns caminhos:

1. Passar pelo menos R$ 150 mil para o Santander Select, e conseguir a isenção do pacote Select.

2. Passar R$ 250 mil para o banco Inter e pegar o Inter Mastercard Black sem custo, com Lounge Key ilimitado. Seria necessário manter outro cartão, porque esse dá apenas cashback. Eles também tem um tag de pedágio sem custo, o que é bom.

3. Tentar negociar junto ao Sicredi, onde minha esposa tem conta para receber salário, uma isenção da anuidade do cartão Black do banco. Também tem Lounge Key ilimitado, mas como não pontua no Livelo, não sei se dá para considerar um bom cartão.

4. A própria XP está testando um cartão Visa Infinite, mas parece ser bem fraquinho, sem Lounge Key.

Não sei se alguém teria mais alguma sugestão de caminho para isentar custos e obter um bom cartão transferindo investimentos. No momento, considero que o caminho será isentar a cesta do Santander Select mesmo, e se não houverem mudanças que me impedirem de isentar o cartão por gastos, tentar uma negociação, e talvez manter o pagamento do RecargaPay Prime+ para atingir a isenção.

Outro objetivo, não sei se para 2021 ou 2022 (quando viajar novamente para o exterior), é ter um cartão que permita fazer compras no exterior com uma boa cotação e IOF baixo. Sei do banco C6, do BS2, e andei ouvindo falar do Nomad. Quando surgir uma oportunidade concreta de viagem, vou pesquisar sobre o assunto.”

……………………….

E você, já definiu uma estratégia para maximizar o acúmulo de pontos e milhas nesse ano de 2021?

Agradecimentos de praxe aos leitores HPillsbury e ao Swine pelas suas contribuições!