Enquete: você irá tomar a vacina contra o coronavírus se ela não for obrigatória?

Resgates de milhas e pontos por passagens aéreas para o exterior têm sido cada vez mais difíceis, em virtude não só das proibições de receber turistas de determinados países, mas também por conta da necessidade de se apresentar testes negativos do coronavírus, como é o caso da Argentina.

Atualmente, mais de 130 fabricantes no mundo inteiro estão correndo para produzir uma vacina contra o coronavírus.

Ao mesmo tempo, polêmicas são instauradas em diversos países do mundo sobre uma eventual imposição do Estado obrigando os seus cidadãos a se vacinarem.

Segundo essa reportagem, por enquanto Chefes de Estado de nenhum país pretende forçar as pessoas a se vacinarem.

Por outro lado, existe o problema de uma vacina produzida às pressas não ter eficácia 100% comprovada. Há ainda o risco dos eventuais efeitos colaterais causarem eventualmente algum dano ou sequela ao organismo.

Há, também, a probabilidade de países exigirem dos turistas, num futuro não muito remoto, a apresentação não só de testes negativos para o corona, mas também de comprovantes de vacinação contra essa doença.

O fato é que a segunda onda do coronavírus já é uma realidade em diversos países do mundo, como já vínhamos alertando há alguns dias.

Ontem, por exemplo, foi a vez da Inglaterra decretar lockdown com duração prevista, pasmem, até 2 de dezembro, com o fechamento de comércios são essenciais, como restaurantes, bares, teatros e cinemas, além de imposição de confinamento obrigatório.

Diante desse cenário, que pode ter impacto no mundo das viagens, e, portanto, nos resgates das milhas e pontos por passagens aéreas, pergunto: você irá tomar a vacina contra o coronavírus, caso ela não seja obrigatória? Caso decida tomar, vai procurar se vacinar assim que ela estiver disponível, ou irá aguardar mais um tempo?