[Guest post] Cartão de crédito Volkswagen Itaucard 2.0 Visa Platinum: onde está a pegadinha?

0 Flares Twitter 0 Facebook 0 Google+ 0 0 Flares ×

Segue mais um brilhante comentário do leitor SwineOne, dessa vez indagando a respeito desse cartão de crédito em parceria com uma fabricante de automóveis:

“Pessoal, aproveitando para colocar algo que descobri fazendo pesquisas para responder ao colega, parece ser uma daquelas coisas boas demais para acreditar.

Descobri que existe um cartão Volkswagen Itaucard. Segue o regulamento do cartão:

https://www.itau.com.br/_arquivosestaticos/Itau/PDF/programa-pontos-regulamento-prog-incentivo-volkswagen.pdf

Cada R$ 20 gastos viram um ponto, que posteriormente pode ser trocado por R$ 1 de desconto na compra de um carro na Volkswagen, até o limite de 20.000 pontos (R$ 20.000) para os cartões Platinum. Fora isso, não vi nenhuma restrição, como por exemplo o valor do carro a ser comprado.

Ou seja, movimentando R$ 400.000 no cartão (um valor alto, mas o pessoal daqui sabe que está longe de ser impossível — R$ 10.000 no Iti por mês pra começar) rende R$ 20.000 de desconto no carro.

Sei que para carros caros, a diferença não é tão grande, e para quem tem acesso aos descontos para PcD ou CNPJ, pode não valer a pena.

Conclusão

Mas imagine tirar um carro popular pela metade do preço? Dá pra trocar de carro todo ano e lucrar com a operação ainda — um Volkswagen up! com um ano de uso mal desvaloriza R$ 5.000.

Qual é a pegadinha? Tem que existir”.

………………………..

Alguém já teve ou tem esse cartão, utilizando o benefício do desconto na compra do carro?

Agradecimentos de praxe ao Swine pelo envio do texto!

Tagged as: ,
  • Davi Degaspari

    Acho que a pegadinha é que o desconto deve ser em cima daquele preço de tabela, o mais alto de todos, o que geralmente vem riscadinho. “De 49.990 por 45990”. Mas mesmo assim, 16 mil de desconto não eh nada ruim.

    • TRL

      Um amigo meu que usou esses pontos há anos atrás me contou que o desânimo do vendedor era evidente ao ouvir que ele pagaria com parte em pontos. Provavelmente, tal como quando ocorre aqueles descontos do CRC para os carros Ford, esses carros descontados vêm direto da fábrica e resta pouca ou nenhuma comissão à vendedores. Em tempo: meu amigo não iria quitar o carro na compra, precisava de financiamento. Pois o vendedor escolheu a financeira mais cara e condicionou a venda àquela financeira (provavelmente para se compensar menores comissões, creio eu)… lembro que ele pagou quase 2% a.m… Enfim, acredito que haja pegadinha sim e dependendo de como você se apresenta na negociação, o que ganha com uma mão, retiram-lhe com duas. Todo cuidado é pouco.

      • Talita Alves

        Faz sentido, porém os leitores são bem inteligentes aqui, então vamos descobrir onde tá a pegadinha. Precisa saber se é válido para pagamentos de contas no cartão e se é condicionado a um valor mínimo de compra, tipo acima de 80 mil.
        400 mil no ano no cartão é muita coisa… Não estou gastando nada, só usando cashback do ame, kkk

        • SwineOne

          Que eu saiba, quando você paga contas via um aplicativo (RecargaPay, PicPay, MercadoPago, etc.), isso entra como uma compra normal.

          Quanto ao valor ser alto, vou tentar mostrar umas contas que ele é factível (pelo menos no meu caso, mas deve dar pra adaptar para outros casos).

      • Tarcísio Bezerra

        Quanto a isso, daria mais trabalho, mas se ligasse para montadora, informando de todo esse mal atendimento, e fosse num banco externo, melhoraria toda negociação.

      • SwineOne

        Sabe mais alguma informação dessa transação? Se houve restrição ao número de pontos usado, ao valor do carro (só acima de R$ 80 mil, por exemplo?), etc.?

        • SwineOne

          Outra pergunta, sabe se o seu amigo conseguia isenção da anuidade? Sei que não é muita coisa frente ao desconto, mas qualquer pouco ajuda.

        • TRL

          Há restrição de uso – são 20.000 pontos no máximo por carro, mas não há carro zero que seja menor que esse valor, então não há restrição de carro zero para comprar. Ele na época tinha o cartão Fiat, comprou um Punto, que é carro normal, não é de luxo. Não sei se ele conseguiu ou nem se pediu isenção de anuidade. Mas quanto mais co-branded o cartão, mais inflexível é a questão de anuidade. Vide cartões Smiles.

      • Emmanuel Kalispera

        Usei anos atrás para adquirir um veículo para o meu pai e fui super tranquilo. A dica é sempre negociar tudo (preço etc) antes de informar acerca dos pontos.

        • Henry

          Dica adicional nos dias de hoje:
          Imprimir e salvar em pdf o regulamento, que não te obriga a comprar com preço cheio…
          O regulamento dá inteira liberdade pra vc negociar preço.. apenas impõe data pra usar o desconto (1 semana antes até 30 dias depois) e limita o valor máximo de desconto..
          Fora isso, é como vc disse: coloque tudo no papel e somente na hora de pagar informe que vai pagar parte com pontos..

          • TRL

            Não tenho carro e participei poucas vezes de negociação de compra com o meu pai… Não sei se é usual isso, mas nunca tivemos uma proposta de preço no papel. Tudo de boca. Ao menos aqui no RJ. Aliás, acredito ainda que como vendedor de carro é um ser malandro, se você insistir com papel o cara já terá sacada a intenção e o preço será o mais próximo de tabela possível.

            • Henry

              TRL..
              Como hoje em dia tudo é “zap”… faz um contato através do “zap”… meio que largado, esperto, informal……
              Aí, vai trocando informações através do “zap”…
              Em certo momento vc pede a confirmação do preço através do “zap”…
              E, no momento em que já estiver de saco cheio de usar o “zap”, vc avisa que vai usar o desconto do programa..
              Ah, sim: avisa tb através do “zap”..
              “zap” é meio idôneo de prova..
              O Dr. Sérgio Moro que o diga, né nom ??? r……….s………….r…………….s

              Por isso eu amo os EUA: normalmente as palavras têm presunção (quase que absoluta) de veracidade….
              Mentir lá é obstrução à justiça…

          • Talita Alves

            Isso mesmo.

      • Pedro Freitas

        Esquivar disso é fácil. É só fazer a negociação normal, como se fosse comprar o carro sem os pontos, e no final da negociação apresenta o cartão com o desconto. Se o vendedor se recusar a fechar pelo mesmo valor, cabe processo em cima da loja e da VW pra ver quem ta agindo de má-fé, pois teoricamente esses pontos têm que ser equivalentes a dinheiro a vista, sem nenhum ônus para o cliente. Se for pra ter uma condição diferenciada, tem que ta descrito no contrato do cartão.

  • Hugo

    400.000 por ano?

  • Joao Maria Sena

    A pegadinha é ter q gastar 400mil pra ter um desconto de 20mil.

    • Felipe

      Os pontos são válidos por 3 anos (36 meses). Então, diluindo os 400 mil em 2,5 anos, com 6 meses do final para comprar o carro, daria uns 160 mil por ano. Bem mais plausível.

      • Flavio

        Só via ITI da pra movimentar 120 mil por ano….

        • Paulo Henrique

          Sera que o ITI mantém esse limite por mais um ano?

        • TRL

          Depende, para muita gente o Iti já limitou a 3 mil por mês.

          • Flavio

            O ITI tem limites diferentes entre cartões do itau ou de outro banco.

            • SwineOne

              Na verdade acho que o que o TRL quis dizer é que limitou a 3 envios por mês, e como o limite é R$ 1.000 por transação (só para cartões Itaú, para cartões de outros bancos é R$ 500), dá os R$ 3.000 que ele falou. Mesmo sem cartão Itaú, com o limite “normal” de 10 envios, dá pra transferir R$ 5.000 por mês.

              • TRL

                Na mosca!

        • Gustavo on the telephone

          Movimentar tanto no Iti nao pode dar problema na Receita? Tipo, uma pessoa com renda de 3 mil por mes (40 mil por ano) movimentando 120 mil só no iti… Nao dá problema?

          • SwineOne

            Suspeito que sim, você possa cair na malha fina. Mas não posso afirmar; se houver algum colega aqui que trabalha na receita, ou que tem algum conhecido que trabalha lá, e puder opinar, com certeza todos ficarão agradecidos.

            Porém, penso que a situação mais comum é a mesma que eu faço, transferir para o Iti da esposa e de lá de volta para a conta. O dinheiro nunca sai da família. Não sou advogado para poder afirmar com certeza que nenhum crime está sendo cometido nessa situação (e se você pensa em fazer isso, pode ser bom consultar um advogado primeiro). Então, só deve dar dor de cabeça para você provar que foi isso que fez, via comprovantes do Iti, extratos bancários, faturas do cartão, etc. Mas não acredito (ênfase em acredito, reitero que não sou advogado) que isso vá gerar algum tipo de multa ou outra consequência.

            É questão de pesar se os pontos/cashback ganhos justificam essa possível dor de cabeça. Se achar que sim, faça. Se achar que não, não faça. Pessoalmente, me parece que, no atual patamar do dólar, a menos que você tenha um cartão PDA ou um desses cartões de montadora com 5% de cashback, é muita dor de cabeça para pouco ganho. Fora isso, só mesmo uma nova promoção de bônus em triplo do Santander, com o objetivo de enviar para o Iberia Plus.

    • Flavio

      Entendo que ninguém “gastaria” somente para ter o desconto, mas sim pessoas que já teriam essas despesas e direcionariam para o uso do cartão.
      A mentalidade do brasileiro infelizmente é essa, “vou gastar mais para ter um benefício” e não “vou priorizar o pagamento das despesas que já tenho, com este meio para ter um benefício”.

    • SwineOne

      Na época de ouro do Pague Contas, acho que tinha gente que virava isso fácil (tem a questão de chamar a atenção da receita, mas aí é outra história).

      Vamos pegar o cenário atual, que a gente sabe que é muito volátil, mas vamos lá. Lembrando que efetivamente esse cartão te dá 5% de cashback (para uso somente com gastos com carros da Volkswagen, é claro).

      Primeiro, como eu disse, dá pra gastar R$ 10 mil/mês no Iti. Em um ano, R$ 120.000 dos R$ 400.000 já estariam gastos, sem juro nenhum. Só aí já tem R$ 6 mil de desconto, e R$ 18 mil em 3 anos quando os pontos expiram.

      Coloca mais R$ 3.000 do RecargaPay Prime+ por mês, ou R$ 36.000 por ano, que já gerariam outros R$ 1.800 de desconto gastando “apenas” R$ 180 no ano, que ainda é um excelente desconto.

      Temos mais R$ 500 no MercadoPago e R$ 800 de transferência no PicPay de graça, mais R$ 1.300 grátis por mês ou R$ 780 por ano grátis.

      Se eu tivesse o cartão hoje (não tenho), e junto com os meus cartões do Santander, daria para fazer a festa com pagamento de contas e um esquema de pingue-pongue. Teoricamente, são R$ 3.000 por dia. Como ainda vai valer por quase dois meses, daria pra gastar R$ 200.000 nesses dois meses, muito teoricamente (depende de ter como fazer esses gastos, limite de cartão, e assumindo que o Santander não enfeze por você estar abusando da promoção). E lembrando que no final isso ainda geraria uns 40.000 pontos Esfera.

      Fora isso, precisa começar a gastar, mas ainda assim pode ser um bom negócio. Transferência de uma pessoa para outra via PicPay, você gasta 1,99% sobre o valor transferido para além do limite de R$ 800 mensais. Mas lembrando que você ganha 5% de volta, então ainda sobraram 3% livres. Só que acredito que tenha um limite mensal de R$ 5.000, se não estou enganado. Ainda assim são R$ 80.000 num ano.

      Na sequência, RecargaPay a 2,49%, ainda sobrariam 2,50% de desconto. E por fim, MercadoPago, com 2,99%. Começa a sobrar mais pra eles do que pra você, mas ainda assim, são 2%. E o MercadoPago, até onde eu sei, não tem limite (já paguei um boleto de aporte de PGBL, de bem mais de R$ 10.000, para conseguir bater uma meta da promoção do Santander).

      No meu caso em específico, tenho a vantagem de ter o cartão Santander Reward, que está encostado, mas poderia ser desencostado para fazer pingue-pongue nessa situação. Se eu não me engano, ele estava em 2,2% de cashback quando eu o encostei (pode chegar até 2,5%). Já devolve os juros do PicPay e ainda fico com um lucrinho de 0,2%. Ainda quase zeraria o custo do RecargaPay.

      O problema dessa brincadeira é que tinha um limite de cashback mensal (o contrato mais recente que encontro no Google fala em R$ 500, mas achei um guest post meu no site falando que tinha caído para R$ 250). Considerando esse último valor, e a minha porcentagem atual de 2,2%, seria o equivalente a R$ 11.300 de gastos mensais, ou R$ 136 mil anual. Precisa descontar a anuidade, que pelo que encontrei agora, está em R$ 36,50 mensais. Representaria um cashback efetivo de 1,88%, que aumentaria para 2,13% se atingisse a faixa de 2,5% de cashback nominal. Mesmo assim, pelo menos os gastos com juros do PicPay seriam reduzidos significativamente.

      E claro, teria os seus gastos normais no cartão Volkswagen. Isso varia muito de uma pessoa pra outra, então é difícil colocar um valor. O bom é que esse gasto é “grátis”, já que você já teria de toda forma. Para não deixar de incluir um valor, vamos falar por exemplo em R$ 5.000 por mês — daria R$ 60.000 por ano.

      Enfim, acredito que, com foco, dá pra conseguir esses R$ 400.000 em dois anos (quando os pontos expiram) facilmente e sem pagar juros, pelo menos se as condições atuais continuarem, especialmente o Iti. Mesmo em um ano, seria possível, mas aí já com alguns gastos.

      Não poderia deixar de lembrar as recomendações do Guilherme das últimas semanas, especialmente aquela na análise do Pague Contas gratuito do Santander: esse tipo de operação é arriscada, você pode acabar se embolando e caindo no rotativo do cartão, especialmente se você não tiver um orçamento e passar a tratar esse dinheiro extra como renda. Caso alguém queira seguir essas ideias, é preciso ter MUITA disciplina financeira.

      • Jordan Valery

        Eu faço o mesmo pingue Pongue dos cartões, neste caso eu peguei o celular da família e criei 3 contas do Pic-Pay, o que eu faço para ficar livre dos pagamentos sem taxas e criar uma conta do banco original, eles não tem limite de pagamento, tudo que eu tiro do cartão eu jogo no banco e pago.

        • Flavio

          Não entendi isso de ficar livre de taxas com a conta do banco original, poderia explicar melhor por favor?

          • Jordan Valery

            O caso acima, ele menciona a taxa que tu pagar caso ultrapasse o limite de cada conta de pagamento, mercado pago e 500 reais, recarga pay e 500 por mês e assm, para não pagar essa taxas mencionada eu faço a transferência de tudo que eh tiro do cartão para o banco original, eles permitem você pagar suas contas em qualquer valor sem pagamento de taxas, então tem meses que eu movimento uns 15 mil dos cartões e jogo tudo no banco, quando chegar a fatura eu pago com o banco original sem taxas.

            • HCMO

              Desculpe, mas não entendi. Ao usar o Mercado Pago e pagar uma conta com valor maior de R$500,00 será cobrada uma taxa. Ela virá na fatura do cartão usado pra pagar esta conta, acrescida no valor total do boleto.
              Como o uso do banco original pode te livrar de pagar esta taxa cobrada pelos apps após exceder o limite de pagamento?

              • SwineOne

                Especulo que ele emita boletos no banco Original para si próprio de R$ 500 no MercadoPago, R$ 500 no RecargaPay, R$ 800 no MercadoPago, etc., que faça isso com várias contas, e depois use o saldo no banco Original para pagar as faturas. Pelo menos é o que dá pra entender, concordo que está um pouco confuso.

      • Darley Tigre

        Isso é amor demais por um carro da VW, né não? Se o pessoal de lá souber disso, vão começar a mudar o regulamento para novas emissões. Certeza! Vão cortar a asa do povo.

        • SwineOne

          Se o amor for por carros da Ford, Fiat, Mitsubishi e outras que também tem cartões semelhantes, pode escolher.

          Mas o principal é o amor pelo dinheiro. Como demonstrado, se as condições se manterem, dá pra gastar R$ 10.000 (Iti) + R$ 3.000 (RecargaPay Prime+) + R$ 800 (PicPay) + R$ 500 (Mercado Pago) = R$ 14.300 + compras normais (vamos arredondar para R$ 20.000 por mês, ou 1.000 pontos por mês), com gastos equivalentes à anuidade mais o RecargaPay Prime+, para ao final de um ano ter R$ 12.000 de desconto num carro gastando pouco mais de R$ 500.

          É isso ou, com o mesmo esforço, gerar 80 mil milhas no ano, num cartão Black, dado o patamar atual do dólar (que você compra por R$ 3.200 com quatro mensalidades do clube Livelo 20.000). Qual o melhor negócio?

          Nesse momento, só o cartão PDA consegue competir, com todas as dificuldades de aprovação e limite de crédito que já foram discutidas (embora ninguém saiba dizer se as restrições para os cartões de montadoras são parecidas).

          Evidentemente, tudo isso assumindo que você tenha interesse em trocar de carro, que tenha um carro de um dos fabricantes que oferece esse tipo de cartão, e que não consiga condições melhores com outras formas de desconto.

      • Gustavo on the telephone

        SwineOne, voce movimenta por ano quantas vezes o seu salario? Qual é o segredo para nao ter problemas com a Receita?

        • SwineOne

          Até poucos meses atrás, nunca movimentei na média mais do que o meu salário, pelo simples motivo que eu não fazia pingue-pongue de cartões (até por não ter um segundo cartão, e ficar com medo de chamar a atenção do Santander pagando um valor X no cartão que imediatamente resultasse num crédito de X, pois ouvi dizer que os bancos detectam isso e podem até cancelar o cartão), e nem pagava boletos em que eu fosse o próprio beneficiário, como de bancos digitais (com exceção de aportes de PGBL).

          Evidentemente, em alguns meses gastava mais do que o salário porque adiantava compras, fazia estoque de supermercado, pagava boletos de meses seguintes, etc. com o objetivo de bater metas do Santander, mas nos outros meses gastava menos. Então, se a receita tiver uma visão anual, ela nunca teve motivo para questionar os meus gastos no cartão.

          Com a queda da franquia grátis do MercadoPago, comecei a me aventurar com o envio de dinheiro para minha esposa com o PicPay, mas somente usando para pagar boletos de maior valor que não conseguia mais fazer gratuitamente via MercadoPago.

          Só nos últimos meses é que estou brincando com o Iti e o RecargaPay Prime+ (e ainda assim, no RecargaPay Prime+ não estou usando exclusivamente para fazer pingue-pongue), e agora o Santander está com Pague Contas gratuito por um tempo, então talvez este ano movimente um pouco menos que o dobro da renda familiar (assumindo que nada mude no Iti e no RecargaPay Prime+). Então, ano que vem é que vou descobrir se a receita realmente implica com isso.

          Em todo caso, esse ano deve ser uma exceção, e prevejo que ano que vem voltarei para a situação normal. Não por medo da receita (talvez daqui a um ano minha opinião seja diferente; veremos), e nem por falta de interesse em ganhar pontos (por mais que o patamar atual do dólar realmente dificulte a geração de pontos), mas somente porque acredito que a mamata do Iti vai acabar, e não acredito que o Pague Contas gratuito do Santander seja estendido para além do prazo original, quanto mais para 2021.

    • Paulo Henrique

      Qualquer valor.

    • Darley Tigre

      Eu pensei nisso também… Me obriga a gasta essa fortuna pra me dar 5% do valor. Isso fora a anuidade! No regulamento não existe condições par isenção de anuidade? Se não existir, seria 20mil – 1.9mil, aprox.

      • SwineOne

        Você queria um desconto de R$ 20.000 de graça?

        É 5% de cashback. Por favor me aponte outro cartão que dá isso (pelo que eu sei, falaram do cartão do PicPay e só).

  • Henrique Prado

    Se tivesse um cartão HONDA , poderia valer a pena, Gosto da marca Honda , Já tive diversos VW , porém não mais.

    • SwineOne

      Saí de um Honda Civic Si para um Volkswagen up! TSI ano passado, porém evidentemente foi um movimento no sentido de economizar: no valor do carro, do seguro, do gasto com combustível, do IPVA (não de início, mas posteriormente), de manutenção (pelo menos supostamente, vamos ver se se concretiza), etc.

      Fiquei bastante satisfeito com o desempenho e o consumo do carro. Não era a opção mais barata no momento (e hoje tomo susto ao ver que um Onix está custando R$ 80.000), mas racionalizei que poderia gastar um pouco mais pelo desempenho do carro, especialmente considerando o carro que tinha antes. Por ora estou bastante satisfeito com a compra. Claro que o verdadeiro veredito só vai poder ser dado daqui a uns 5 anos, para ver como será a manutenção e o atendimento.

      Em todo caso, tem outras opções de montadores, pelo que vi no site: Ford e Fiat. Teria que ver se alguma delas interessa, e se as condições são similares.

  • SwineOne

    Outra vantagem que o Guilherme apontou na imagem dos benefícios do cartão, e que eu não havia mencionado: descontos em peças e serviços. Além de economizar na compra do carro, dá para economizar nas revisões. O regulamente do cartão fala que o “Saldo mínimo necessário para solicitar o resgate de pontos” é de 1.000 pontos na versão International e 2.000 pontos na versão Platinum (sendo que a versão Platinum seria necessária para atingir os R$ 20.000 de desconto na compra), mas não entendi se isso também significa que o resgate mínimo é de 1.000 a 2.000 pontos. Se for, dificilmente valerá a pena, exceto se tiver pontos expirando (e assumindo que permitam fazer um resgate de 2.000 pontos para ter um gasto de, por exemplo, apenas R$ 1.000). Mas no caso do carro precisar de uma manutenção mais cara, pode ser um excelente benefício.

  • Mr_flying

    Tem nos mesmos moldes o cartão da FIAT, GM, CITROEN, FORD & não temos nada de Toyota e nem Honda.

    • Fabricio

      nao achei da Citroen.. sabe me dizer aonde esta?

      • Mr_flying

        Estava no site banco Citröen e parece que descontinuaram

  • Guilherme Marchese

    Como informação, existi da itaucard também o cartão da Fiat e da Mit, as regras aparentemente são as mesmas.
    Com o dollar nas alturas parece interessante, mas é um pensamento a médio prazo, combinado com dinheiro para a compra do carro.
    Uma coisa que acabei não vendo é se eles isentam a anuidade.
    Ninguem tem problema com o banco emissor do Cartão, quando faz esse sistema de ping pong ai, ou o uso do iti até o limite ??

  • Marcos Souza

    A pegadinha é: Comprar carro 0KM.
    Quem em sã consciência, sabendo dos valores proibitivos praticados pelas montadores hoje aqui instaladas e sabendo do futuro sombrio economicamente o qual caminharemos, se sujeitaria a pagar 50k num carrinho “mil”?
    Francamente, compensa mais gastar isso até em Pontos Latam Pass, o que por si só já é um belo dum nabo.

    • Flavio

      Para mim o melhor seria transformar em pontos no Iberia Plus ou no Miles & go da tap…. mas claro que as necessidades mudam para cada pessoa.

    • SwineOne

      A carapuça serviu pra mim, que fiz isso ano passado, então vou dar o meu relato. E não se esqueça que o mercado precifica os carros usados, posso garantir que se alguém tirar um carro de R$ 50.000 por R$ 30.000 e colocar para vender no dia seguinte vai ter lucro, pode estar a crise que for. Veja bem, não é “pode ter lucro”. Vai ter lucro, isso é fato. E se alguém seguisse a ideia que foi posta, de trocar de carro a cada ano usando os R$ 20.000 de desconto também vai ter lucro (menor, é claro, mas vai ter). Talvez existam carros muito específicos (superesportivos ou sei lá) que desvalorizem 40% no primeiro ano, mas carros “normais” certamente não, e especialmente populares.

      Antes de tudo, quero dizer que era um defensor ferrenho de nunca comprar carro 0 km. Acho os preços absurdos, abusivos. Os outros 4 carros que tive na vida foram todos usados, e os 2 carros que minha esposa teve também.

      Ano passado coloquei números no papel e vi que estava com um carro de mais idade (2009), que era de um segmento mais alto e esportivo, e estava começando a dar mais manutenção. Era chegada a hora de trocar.

      Aliei isso ao meu desejo de fazer um “downsize” na vida, e resolvi ir para um carro popular. Minha esposa já tem um bom carro, que podemos usar em viagens, etc. Não havia motivo para ficar com dois carros bons na família.

      Comecei me informando sobre o que existia no mercado, com vistas a carros econômicos. Em particular, a economia de combustível sempre foi mais do que um objetivo financeiro para mim, mas uma espécie de hobby (veja por exemplo esse ano em que ganhei numa competição desse tipo: http://www.cleanmpg.com/community/index.php?threads/28650/). Tanto que, quando minha esposa quis trocar o carro dela há uns 5 anos atrás, consegui convencê-la a comprar um híbrido. Imediatamente me interessei pelos carros com downsizing, e em particular o Volkswagen up! TSI, que era o carro não-híbrido de menor consumo pelas medições do Inmetro, e tinha desempenho de sobra.

      Aí comecei a pesquisar carros usados, e descobri uma triste realidade (para quem está comprando, e alegria para quem está vendendo) sobre o segmento de carros populares: eles desvalorizam pouco, especialmente carros com pouco tempo de uso. E abrindo um parênteses aqui, dada a irresponsabilidade do brasileiro médio, por exemplo com as finanças como vemos por aqui e no outro blog do Guilherme, eu jamais seria louco de comprar um carro usado com, digamos, 5 ou mais anos de uso. Não tenha dúvidas que existe carro dessa idade por aí rodando com o óleo original de fábrica — não devem ser muitos, mas existem. Então foquei a busca em carros com um ou no máximo 2 anos de uso.

      Aliado a uma recente redução de tabela no preço desse carro, cansei de ver gente querendo vender um carro equivalente ao 0 km que tiraria na concessionária MAIS CARO DO QUE O 0 KM. Sim, é isso mesmo, e não foi um ou outro não. Nunca fiz a conta, mas estimaria que, dos carros modelo 2019 (o 0 km já estava no modelo 2020), uns 10-20% estavam nessa situação. E não adiantava explicar isso pra pessoa, sugerir que ela fosse olhar quanto estava custando agora, o dono ficava até ofendido às vezes.

      Bom, após muita procura, encontrei um negócio que quase fechei, um 2019 com 2500 km rodados, consegui pesquisar a procedência do veículo e conversar com os antigos donos (sim, 2, uma dona de garagem que só tirou da concessionária para repassar, e a dona que efetivamente usou o carro e, especulo, precisou vender por problemas financeiros). Tinha uma certa segurança de comprá-lo, apesar do histórico me deixar um pouco desconfiado. Mesmo assim, pelo que me lembro, ia pagar cerca de R$ 5.000 a menos do que o valor que consegui negociar pelo 0 km.

      Estava para fechar o negócio quando meus pais, achando que era uma diferença muito pequena e sabendo que eu ficaria com o carro por muitos anos, acharam que havia risco de ter alguma problema por conta do histórico e resolveram me presentear com a diferença do carro 0 km, desde que fechasse o negócio com o novo e não o usado. Aí ficou fácil decidir.

      Com a venda do meu carro antigo, levantei 80% do valor do negócio, e ganhei os outros 10% de presente, então custou só 10% do valor para mim (e mais um pouco pelos custos do emplacamento). Dos 10%, com a economia no seguro e no consumo de combustível (consigo facilmente rodar o dobro que rodava no antigo com a mesma quantidade de combustível), já tirei uns 3%, e facilmente até o final do ano que vem tirarei os 7% restantes. Isso que não incluí manutenção, cuja estimativa é mais difícil porque é um gasto intermitente, mas não duvido que se incluísse, talvez tiraria toda a diferença esse ano ainda, especialmente se entrasse na conta uma troca dos pneus do carro antigo, que não estava longe de ocorrer. Daí em diante só estarei economizando.

      Se a conta já foi vantajosa dessa forma, imagina com essa possibilidade de descontos via cartão?

      Que carro é muito caro no Brasil, eu concordo — não vou nem entrar no mérito dos imóveis, onde a situação é pior ainda. E ainda acho que no geral caso usado é um melhor negócio, especialmente em categorias que não sejam a de carros populares. Mas no meu caso especial funcionou muito bem, e mesmo se não tivesse ganho os 10% de presente, o carro ainda se pagaria, embora demoraria um pouco mais. Certamente em 3 a 4 anos teria se pago, e hoje tenho um carro que sei muito bem como foi dirigido, como foi feita a manutenção, etc. É preciso dar algum valor para isso.

  • Douglas

    Acho que a única “pegadinha” mesmo é que não tem como ausentar a anuidade, e pode ser que esse cartão seja liberado com limite baixo ou que tenha limite de acumulo de ptos por mês (não achei nada disso no regulamento)

  • Pingback: Ganhe até 20 mil reais de desconto na compra de um carro Mitsubishi zero KM com o cartão de crédito Itaucard Mitsubishi | Meu Milhão de Milhas()

  • Herick HK

    A pegadinha é o limite igual ao PDA? 2K

    • SwineOne

      É uma possibilidade. Se alguém que tem o cartão pudesse dar um relato, ficaríamos agradecidos.

      • Emanuel Soares

        Pois é, se aprovar com limite de 4k não vale a pena o Platinum. R$ 4.000 x 36 meses = R$ 144.000 * 0,05 = 7200 pontos ou 7200 reais de desconto, tirando as tranuidades ( 1929,00), sobra um bonus de 5271 ou 1757 por ano. É dinheiro? É! Vale a pena o esforço? Aí depende de cada um…

  • Herick HK

    Talvez a conta seja ‘melhor’ mais fácil de alcançar o desconto
    R$ 400.000,00
    meses 36
    R$ 11.111,11 / mês.

    • Renato Salemi

      Exatamente, errei nas contas, mas o que passar disso não eh pontuado!

  • Fernando

    precisaria ver o limite de crédito do cartão.. se liberam tipo 5 mil por mês não ajuda mto..

  • Leonardo Figueiró

    Bom dia pessoal,
    E não é que consegui o cartão?? 21k de limite!!
    Considerando que tenho PdA também com 12k de limite, alguns Blacks do BB (Livelo), conta nos apps e sou RecargaPay Prime+ (3K), agora é pensar na estratégia pra sobreviver!
    Aguardo sugestões dos amigos especialistas!!!
    Obs.: ainda sou “guri novo” nesse mundo!
    Abraços a todos

  • Leonardo Figueiró

    Amigo Guilherme, se quiser, podes fixar o coment rsrs obrigado pelos sites

  • Leonardo Figueiró

    Bom dia pessoal,
    E não é que consegui o cartão?? 21k de limite!!
    Considerando que tenho PdA também com 12k de limite, alguns Blacks do BB (Livelo), conta nos apps e sou RecargaPay Prime+ (3K), agora é pensar na estratégia pra sobreviver!
    Aguardo sugestões dos amigos especialistas!!!
    Obs.: ainda sou “guri novo” nesse mundo!
    Abraços a todos

0 Flares Twitter 0 Facebook 0 Google+ 0 0 Flares ×