A partir de hoje, dólar do cartão de crédito passa a ser o do dia da compra

0 Flares Twitter 0 Facebook 0 Google+ 0 0 Flares ×

O sempre prestativo leitor Luís Rocha me enviou uma mensagem dizendo que o Bradesco estava comunicando aos seus clientes que no uso de cartão de crédito em moeda estrangeira, a partir de hoje, a taxa de conversão do dólar americano para o valor equivalente em real será a data vigente em cada compra.

Aí me lembrei que o Itaú estava enviando comunicado de idêntico teor para seus clientes.

O Luís ainda afirmou que tudo isso seria norma do Banco Central.

Consultando o Google, verifiquei que é isso mesmo:

O Banco Central (BC) definiu as regras para a divulgação das taxas de conversão de gastos em moeda estrangeira em cartão de crédito de uso internacional. Em circular publicada na edição de hoje (23) do Diário Oficial da União, o BC determina que a taxa de conversão do dólar deve ficar disponível nos canais remotos de atendimento ao cliente, inclusive por meios eletrônicos, com acesso direto ao público no menu relativo a cartões de uso internacional.

A divulgação das taxas de conversão deve ser realizada independentemente de identificação ou autenticação do usuário, diz a circular.

Além disso, a taxa de conversão deve ter quatro casas decimais e deve ser divulgada tanto em formato de dados abertos (acesso livre para modificação e compartilhamento), quanto em formato final para utilização direta pelo público.

Quanto ao histórico, a circular determina que a informação deve abranger as taxas de conversão praticadas, no mínimo, a partir de 1º de março de 2020, até 30 de agosto de 2020. A partir de 1º de setembro de 2020, o histórico deve abranger as taxas de conversão praticadas, no mínimo, nos últimos 180 dias.

O BC também determina que o histórico deve conter a opção para a consulta da última taxa de conversão disponível.

A circular publicada hoje detalha norma definida no final do ano passado. Na época, o BC determinou que os gastos feitos em moeda estrangeira nos cartões de crédito internacionais terão seu valor fixado em reais pela taxa de conversão vigente no dia de cada gasto realizado. A medida passa a valer a partir a partir de 1º de março de 2020. Com essa medida, o cliente ficará sabendo já no dia seguinte quanto vai desembolsar em reais, eliminando a necessidade de eventual ajuste na fatura subsequente.

Conclusão

Embora essa medida dê mais previsibilidade para o consumidor, em termos de quanto terá que desembolsar em reais por cada compra feita em moeda estrangeira (ao invés de ter que ficar esperando o fechamento da fatura), isso ainda não resolve o problema do spread muito alto que certos bancos cobram, como o Santander e a Porto Seguro.

O Banco Central poderia ir além nessa regulamentação, para coibir também spreads abusivos.

Pelo que os leitores comentam aqui no blog, os melhores cartões de crédito nesse quesito (baixo spread) são os das cooperativas de crédito, com spread de 1% (é isso mesmo?).

Agradeço ao Luís pelo envio da notícia!

  • Flavio

    Ultimamente tenho usado a conta global do c6.
    Spread bem menor que dos grandes bancos e o iof é de aprox 1%.

    • Guilherme

      Qual é o spread cobrado pelo C6?

      • Flavio

        No momento da carga, paga o dolar comercial, 2% de comissão e 1,1% de iof.
        Quando estou em viagens faço cargas diarias conforme a necessidade. Atencao q so pode carregar em horario comercial do brasil.
        Para compras no débito não tem tarifa.
        Ja usei nos eua e em israel, neste caso a conversão para o dolar foi a oficial (sem spread).
        Acho q vale uma materia sobre esta forma de pagamento. Se quiser posso te ajudar com isso!

        • Guilherme

          Opa, ótimo Flávio! Sua ajuda seria ótima mesmo, iria dar um post bem bacana!!!!!

          • amnoce

            Guilherme, seria ótima ideia um post sobre as contas internacionais com cartão de débito!
            O TPC é o meu principal cartão de crédito e utilizo em viagens internacionais, acho absurdo o spread dos Unlimited, o Santander é o pior nesse sentido, mantenho os cartões somente pela parceria com a Iberia.

          • Fabiano G. Souza (Nerdmor.com)

            Deixo meu voto por postagem desse assunto!

  • Raul

    Cartão Pão de Açúcar Platinum: spread 0%.

    • André Faria Gonçalves

      Fale baixo antes que eles mudem isso rs

  • Túlio Faria

    Cartão PDA e cooperativas 0% spread!rs

  • Fábio

    E como será feita a conversão para a pontuação do cartão? Usará o câmbio diário ou da data do fechamento da fatura?

    • Henrique P. P.

      Excelente questão. Eu não havia pensado nisso. Se for o câmbio do dia da compra, no caso de várias compras ao longo do mês, vai ficar complicado o cálculo hein. Vamos ver se alguém sabe elucidar isso.

      • Flying_B

        Nada complicado a CEF já faz isso há anos!!! Bem transparente

  • assolini

    Sobre a nova lei: elá é muito bem vinda, pois forçará os bancos a usar a cotação do dia e publicar em seus canais de atendimento a taxa usada. Isso corrige esse problema, mas não corrige o problema do spread (ágio) abusivo que os bancões cobram e continuarão. cobrando. Acredito que com essa medida mais e mais pessoas saberão disso e buscarão uma alternativa.

    Para ter spread zero: cartões das cooperativas Sicredi, Sicoob e Unicred, desde quando foram lançados usam a cotação do dólar do dia, sem spread, cobrando o dolar PTAX, que é muito próximo ao comercial. Importante salientar que cartões da cooperativa Uniprime cobram 5% de spread, portanto antes de contratar um é importante perguntar.
    Dos cartões oferecidos pelos bancões apenas o famigerado Pão de Açucar oferece spread zero. Banco Inter cobra 1%.
    Um fato importante ignorado por muita gente: cartões de cooperativas pontuam mais, cerca de 5% se comparado aos cartões de bancos. Como o dólar é mais barato e a pontuação é gerada a partir desse valor, no final o cliente acaba tendo mais pontos se comparado ao dólar caro dos bancões.

    Para fugir do IOF, pagando menos, como já comentado as contas internacionais do BS2 e C6 são uma alternativa. Outra que eu gosto: conta borderless do Transferwise, que oferece cartão de débito gratuito, sem cobrança de spread nas compras internacionais; o único gasto será o IOF para envio do dinheiro a conta, que será menor do que a compra com cartão.

  • Gabriel Brandão

    Guilherme… off topic, não sei se é apenas o meu, mas o AME limitou pagamentos de boletos a 1500,00 nos últimos 30 dias. https://uploads.disquscdn.com/images/8d96c31223664579d05160c4047bb60ac7c89be09c199c450957daa6dc4f38bc.jpg

    • TRL

      Eu também… a AME não se decide… isso já foi R$ 15.000,00 e agora é R$ 1.500,00.

  • ConteAqui

    Algumas Cooperativas de crédito tem zero de spread e o dólar cobrado é o comercial e não o turismo. Portanto, não conheço banco algum que seja melhor para cartão de crédito em compra internacional.

0 Flares Twitter 0 Facebook 0 Google+ 0 0 Flares ×