A partir de hoje, d?lar do cart?o de cr?dito passa a ser o do dia da compra

O sempre prestativo leitor Lu?s Rocha me enviou uma mensagem dizendo que o Bradesco estava comunicando aos seus clientes que no uso de cart?o de cr?dito em moeda estrangeira, a partir de hoje, a taxa de convers?o do d?lar americano para o valor equivalente em real ser? a data vigente em cada compra.

A? me lembrei que o Ita? estava enviando comunicado de id?ntico teor para seus clientes.

O Lu?s ainda afirmou que tudo isso seria norma do Banco Central.

Consultando o Google, verifiquei que ? isso mesmo:

O Banco Central (BC) definiu as regras para a divulga??o das taxas de convers?o de gastos em moeda estrangeira em cart?o de cr?dito de uso internacional. Em circular publicada na edi??o de hoje (23) do Di?rio Oficial da Uni?o, o BC determina que a taxa de convers?o do d?lar deve ficar dispon?vel nos canais remotos de atendimento ao cliente, inclusive por meios eletr?nicos, com acesso direto ao p?blico no menu relativo a cart?es de uso internacional.

A divulga??o das taxas de convers?o deve ser realizada independentemente de identifica??o ou autentica??o do usu?rio, diz a circular.

Al?m disso, a taxa de convers?o deve ter quatro casas decimais e deve ser divulgada tanto em formato de dados abertos (acesso livre para modifica??o e compartilhamento), quanto em formato final para utiliza??o direta pelo p?blico.

Quanto ao hist?rico, a circular determina que a informa??o deve abranger as taxas de convers?o praticadas, no m?nimo, a partir de 1? de mar?o de 2020, at? 30 de agosto de 2020. A partir de 1? de setembro de 2020, o hist?rico deve abranger as taxas de convers?o praticadas, no m?nimo, nos ?ltimos 180 dias.

O BC tamb?m determina que o hist?rico deve conter a op??o para a consulta da ?ltima taxa de convers?o dispon?vel.

A circular publicada hoje detalha norma definida no final do ano passado. Na ?poca, o BC determinou que os gastos feitos em moeda estrangeira nos cart?es de cr?dito internacionais ter?o seu valor fixado em reais pela taxa de convers?o vigente no dia de cada gasto realizado. A medida passa a valer a partir a partir de 1? de mar?o de 2020. Com essa medida, o cliente ficar? sabendo j? no dia seguinte quanto vai desembolsar em reais, eliminando a necessidade de eventual ajuste na fatura subsequente.

Conclus?o

Embora essa medida d? mais previsibilidade para o consumidor, em termos de quanto ter? que desembolsar em reais por cada compra feita em moeda estrangeira (ao inv?s de ter que ficar esperando o fechamento da fatura), isso ainda n?o resolve o problema do spread muito alto que certos bancos cobram, como o Santander e a Porto Seguro.

O Banco Central poderia ir al?m nessa regulamenta??o, para coibir tamb?m spreads abusivos.

Pelo que os leitores comentam aqui no blog, os melhores cart?es de cr?dito nesse quesito (baixo spread) s?o os das cooperativas de cr?dito, com spread de 1% (? isso mesmo?).

Agrade?o ao Lu?s pelo envio da not?cia!