[Guest post] Resgatando pontos Le Club Accor por ingressos nos shows no Rock In Rio – a minha experiência pessoal

0 Flares Twitter 0 Facebook 0 Google+ 0 0 Flares ×

Hoje, trazemos o relato do leitor Leandro, contando sua experiência pessoal, no resgate de pontos do programa de fidelidade hoteleiro Le Club Accor por ingressos para assistir aos shows do Rock In Rio.

Valeu a pena? Como foi o processo de resgate? Como foi a ida ao evento? O que teve dentro do evento?

A leitura será útil para todos aqueles que querem uma alternativa de uso aos pontos Le Club, normalmente associado apenas aos resgates para diárias de hotéis na rede Accor.

Confiram!

…………………………..

Hoje venho apresentar como foi o evento Rock in Rio com resgate efetuado pelo Le Club Accor ao custo de 20 mil pontos.

Aquisição dos pontos

Combinei 3 promoções para obter a pontuação. Primeiro, fiz a compra de pontos Livelo com 50% de desconto, depois, enviei para o Tudo Azul com 100% de bônus e, por último, enviei ao Le Club Accor na taxa de conversão de 2,25:1 (bons tempos). Desse modo, o valor ficou desse jeito:

22.500 Livelo (R$ 787,50) que viraram 45.000 Tudo Azul, que viraram 20.000 Le Club Accor.

É praticamente impossível fazer isso a tempo de resgatar quando lançam a oferta, pois depende da combinação de 3 promoções.

Portanto, quem gosta de aproveitar esse tipo de promoção deve correr o risco e fazer a temida poupança de milhas.

Resgate

O resgate foi bem simples. Recebi o email com a oferta, e fui direcionado ao site do Le Club Experience.

Lá, bastou preencher o número Le Club Accor, data desejada, e quantidade de ingressos.

Ao final da operação, é informado que a mensagem foi enviada, e que será dada prioridade a quem já possua os pontos no momento do pedido. O atendimento é feito por ordem de pedido, mas devido aos altos preços, a maioria dos eventos demora a esgotar (afinal, 20 mil pontos correspondem a 400 Euros ~ 1.820 Reais).

2 dias depois, recebi um e-mail do Le Club Accor com a minha escolha e pedindo que fosse respondido positivamente, autorizando o débito da pontuação.

Importante destacar que membros Platinum tem um desconto em relação aos outros status. Nesse evento o valor ficou em 18 mil pontos para Platinum e 20 mil pontos para os outros status.

Retirada da pulseira

Este foi um ponto que o Le Club teria que melhorar. A retirada só foi possível no período do evento e apenas no hotel Grand Mercure Riocentro.

Como, no meu caso, fui de ônibus, que já me deixava dentro do evento, o processo de retirada da pulseira se mostrou bem complicado. Para não ter confusão, optei por ir 1 dia antes no hotel e buscar a pulseira.

A retirada foi simples. Uma promotora do Le Club estava no hotel, conferiu minha identidade e me entregou as pulseiras. Fiz o cadastro das mesmas no site do Rock in Rio e estavam prontas para o uso.

Ida ao evento

Como moro no interior do estado do RJ, aproveitei uma promoção da Ford, que deu um par de bilhetes no ônibus Primeira Classe, que leva diretamente ao evento e tem saída de diversas cidades.

Com isso, economizei 200 Reais, e fui no conforto e na tranquilidade de poder beber e não dirigir.

Para quem resgatou com o Le Club Accor, foi oferecida uma van que levava até o evento, porém, o transporte saiu de muito perto do Rock in Rio, então só valeu a pena para quem estava hospedado no hotel Grand Mercure Riocentro, local de onde saía a van.

No ponto de partida da van do evento, tinha um “esquenta” com banda e bebidas.

O evento

Com a pulseira, o acesso ao evento foi liberado. Na entrada de quem chega no ônibus do evento não tem diferenciação entre ingresso comum e VIP, mas também não haviam filas.

Com a pulseira VIP você tem acesso a toda a área do Rock in Rio, seja o gramado (área geral), seja a própria área VIP, que é exclusiva para quem possui a pulseira VIP.

Assistimos a apresentação do grupo Fuerza Bruta (muito bom), e depois já fomos direto para a área VIP, e de lá não saímos mais até o final do evento.

O espaço é de extremo bom gosto, muito grande e confortável. Possui visão privilegiada para o palco Mundo e visão lateral do palco Sunset.

Tem diversas mesas com cadeiras, espaço de varanda, sofás e espreguiçadeiras, o que proporciona momentos de descanso durante o evento.

As comidas e bebidas são fantásticas.

A parte de alimentação ficou por conta do restaurante Capim Santo, da Chef Morena Leite.

A comida estava muito boa, com opções como galinhada, tapioca, costela desfiada, massas, ceviche, queijos, entre muitas outras opções.

Também estava à disposição grande variedade de doces, com destaque para o brigadeiro de Capim Santo.

Tinham garçons servindo petiscos por toda área VIP, como bolinho de feijoada, tapioca, entre outros.

Em relação às bebidas, eram todas de ótima qualidade. Chopp Heineken, Uísque Red Label, Vodka Ciroc, Gin Tanqueray, Red Bull, Coca Cola, entre outras.

Era só se dirigir ao bar e pegar sua bebida.

Tinha muita disponibilidade de bares e com isso não tinha fila, nem mesmo nos momentos mais concorridos.

A área VIP tem 2 andares. No andar de cima fica a varanda, o lounge, o buffet e bares. No térreo ficam os banheiros e os stands dos patrocinadores. Pra quem gosta disso é um prato cheio.

Estavam distribuindo Doritos, Colgate Plax, produtos Natura, Café Três corações, copos dos mais variados, bandeiras LGBT, Cordões, entre outras coisas.

Quando começou uma leve chuva, começaram a distribuir capas de chuva (que no lado de fora custava 20 reais).

Em alguns stands tinha aquela espécie de cofre com carregador para celulares, era só pegar uma chave ou fazer por senha, trancar seu celular carregando e pronto, energia renovada para mais fotos.

A visão do show é perfeita e o local para assistir proporciona muito conforto.

Apesar de cheio, a área VIP não fica extremamente lotada e o espaço é totalmente adequado a quantidade de pessoas que recebe.

São mais de 6 mil metros quadrados para uma capacidade total de cerca de 5 mil pessoas. Tudo funcionou muito bem.

Pra quem gosta de ir nesses lugares por conta dos famosos, ficaria decepcionado. Em 2017 já rolou isso e nesse ano parece que ficou ainda mais evidente.

Criaram uma área VIP dentro da área VIP (carinhosamente apelidada de vipinho e vipão) e desta forma, os famosões ficaram em um lugar mais reservado, onde a gente não tinha acesso.

Vimos alguns famosos circulando no dia, como Marcos Veras e Nathalia Dill. Talvez tenham circulado por lá bem mais famosos, mas como não me importo muito com isso, acabo nem reparando.

Assim que terminou o último show do palco Mundo, os bares começaram a fechar e a área VIP foi ficando esvaziada. O retorno foi bem tranquilo.

A área interna dos ônibus Primeira Classe é muito bem estruturada e você não precisa passar o perrengue de pegar BRT + Metrô para voltar pra casa.

Conclusão

O resgate valeu muito a pena, visto a combinação de promoções que realizei. Para quem curte esse tipo de evento é uma boa oportunidade de usar os pontos para assistir aos shows com conforto e economia, tendo à disposição comida e bebida de qualidade, e visão privilegiada dos shows.

Poderiam melhorar na questão da entrega das pulseiras e melhorar a disponibilidade de transfer.

Também poderiam ofertar algum pacote diferenciado já com o hotel incluído ou um desconto nas diárias para quem efetuou o resgate.

Também podem melhorar as ações de marketing na área VIP, visto que o stand do Le Club no evento estava bem fraquinho.

Sempre recomendo considerar o preço equivalente em voucher, uma vez que 20 mil pontos correspondem a 400 euros. Apesar do meu custo ter ficado por menos de 800 reais, esses mesmos pontos eu poderia usar para mais de 1800 reais em hospedagens, então sempre avalie a real necessidade do resgate, e se vale a pena investir esse valor em um evento.

Qualquer dúvida ou curiosidade, estou nos comentários para esclarecer.

Abraço a todos os leitores e meu agradecimento ao Guilherme, que abriu esses espaço para meu relato.

………………………………..

E você, já resgatou seus pontos Le Club para ingressos em eventos? Valeu a pena? Quais pontos positivos e negativos mais se destacaram?

Agradeço ao Leandro pelo excelente relato!

  • Henrique P. P.

    Muito legal o post. Valeu Leandro pela contribuição.

    • Guilherme

      Muito bom mesmo!

    • Leandro Esteves

      Valeu 👍🏻. Cada um contribui com o que pode e nessa todo mundo aprende alguma coisa.

      • Gustavo Botelho

        Excelente alternativa ao uso dos pontos Le Club! Quanto à escolha da data, como é feita (durante ou após o resgate)? Já vou preparar a “temida poupanças de milhas” para 2021… kkkk

        • Leandro Esteves

          Aparecem todas as datas disponíveis no momento do resgate. Acho que no Le Club Accor, por ser um programa global, existe menos risco nessa ” poupança de milhas “. Mas se você quer pontos só pra aproveitar o RiR de 2021, recomendo deixar pra fazer isso mais perto da data. Sempre rola boas promoções no início do ano.

  • hotel_soap

    show

  • Henry

    Legal a experiência. .
    Grato por compartilhar….

  • Bear

    Ótima jogada, obrigado por compartilhar conosco!

  • Gustavo Botelho

    Excelente alternativa ao uso dos pontos Le Club! Quanto à escolha da data, como é feita (durante o resgate ou após)? Já vou preparar a “temida poupanças de milhas” para 2021… kkkkk

  • Artigo muito útil pra ajudar na reflexão sobre a valoração que se pode dar a um benefício decorrente de fidelidade. A quem possa interessar:
    “https://www.middleagemiles.com/2019/02/06/the-value-we-get-from-aa-executive-platinum-status/”

0 Flares Twitter 0 Facebook 0 Google+ 0 0 Flares ×