Dúvida do leitor: vale a pena transferir meus 200 mil pontos do Santander Esfera para o Le Club Accor Hotels?

0 Flares Twitter 0 Facebook 0 Google+ 0 0 Flares ×

Diante do verdadeiro tsunami que houve semana passada envolvendo uma piora generalizada de praticamente todos os programas de milhagens nacionais, seguem abaixo os principais pontos de uma dúvida do sempre participativo leitor SwineOne, que pode ser a de muitos outros leitores que estejam numa situação equivalente: devo dar um uso alternativo aos meus pontos e milhas? 

No caso do leitor Swine, o uso alternativo é o envio dos pontos para o programa de fidelidade Le Club, da rede francesa Accor Hotels.

Confiram!

………………………

“Só para dizer que esse ano, mais do que os anteriores, contamos com aqueles guest posts do Carlos e do Celso, analisando os bônus de transferência e a nova conjuntura dos programas de fidelidade, pois parece que agora não temos mais para onde correr.

Estou com 200.000 pontos no Esfera, e quando comecei a acumular com esse objetivo no início do ano, achava que isto seria mais que o suficiente para um vôo em executiva ida e volta para mim e minha esposa, para América do Norte ou Europa, mas está cada vez mais difícil acreditar que isso possa se concretizar. Parece que hoje, dos parceiros do Santander, resta só Iberia Plus onde isso poderia se concretizar, e olha lá.

Aqui sempre defendi algo que não foi considerado muito ortodoxo, mas talvez hoje alguns tenham que dar o braço o torcer: será que não é melhor transferir uma pontuação como essa para o Le Club?

Senão, vejamos: esses dias teve bônus de 90% para o Smiles. 200.000 pontos virariam 380.000 pontos Smiles. A transferência para o Le Club é à proporção 4:1, exceto para membros do clube Smiles, onde tem 5% de desconto, se não estou enganado, de maneira que seria possível obter 100.000 pontos Le Club com esta pontuação. Isto daria 2.000 euros, ou cerca de R$ 9.000, em hospedagens em hotéis da rede Accor. Lembrando que são 2.000 euros já convertidos nessa moeda, sem spread bancário, sem IOF. Pergunto seriamente: com 380.000 pontos Smiles, ou com 260.000 pontos Multiplus (assumindo apenas o bônus de 30% do Clube 10.000, não tenho acompanhado se dá pra fazer melhor), dá pra conseguir alguma coisa que seja melhor que esses 2.000 euros nos hotéis Accor?

E, por favor, dispenso comentários do tipo: “dá pra emitir 1 trecho, para 1 pessoa, somente ida, da Europa para o Oriente Médio, em primeira classe, que custaria R$ 12.000 comprada em dinheiro…” Não quero saber quanto é o preço fantasia de um vôo em primeira classe. Eu já coloquei aqui no site anteriormente que nunca pagaria o dobro ou mais por uma passagem em executiva do que uma em econômica. Teria que ser uma comparação justa, ancorada na realidade das pessoas de classe média a média-alta que suam muito para receber os seus salários (não mortadelas comissionados que não sabem o valor do dinheiro), e aplicável a viagens partindo aqui do Brasil.

Conclusão

Por fim, vou deixar a minha opinião sobre esse tsunami que devastou o mundo das milhas e pontos essa semana, primeiro com o Amigo e agora com a Multiplus: acho que somos nós, brasileiros, que temos culpa. Em que outro lugar do mundo que o comércio de milhas emplacou dessa maneira? Existe outro lugar do mundo com tantos Clubes de milhagens? Existe outro lugar do mundo onde as pessoas são tão financeiramente analfabetas que tratam compra de milhas e Clubes como poupança/investimento?

Me arrisco a dizer que a imensa maioria dos países não tem um único Clube, enquanto aqui temos Smiles, Multiplus, Tudo Azul, Livelo, em breve teremos Amigo e Esfera, etc. Não vou dizer que são apenas os programas brasileiros que estão mudando suas tabelas de resgates, mas proporcionalmente falando, não deve haver outro país do mundo onde os programas daquele país, assim como aqueles que tem uma operação forte naquele país (vide o caso do Victoria TAP), tiveram uma piora tão concentrada.

É inegável que este comércio a céu aberto, e a baixo custo, de milhas, não tinha como terminar de outra maneira: o mercado foi inundado de milhas, a disponibilidade de assentos não cresceu por mágica, e como esperado, o resultado é a inflação nos resgates”.

…………………………………

Qual é a sua opinião? Vale a pena converter os pontos Santander em pontos Le Club?

Vamos ver o que os dois maiores especialistas brasileiros em matéria do programa de fidelidade Le Club Accor Hotels, o Celso e o Henry, têm a dizer a respeito da situação em que se encontra o Swine. 😉

Agradeço ao Swine pelo envio da dúvida!

 

  • Joao Alexandre

    Duvida, cruel, em ultimo caso do leclub voce ainda pode enviar por Livelo ou Iberia, 1 por 1.

  • Fábio

    Baseado no depoimento do leitor creio que seja possível uma diferente: transferir tudo para o Multiplus ou Smiles.

    Como não foram especificados destinos, fiz uma procura para Nova Iorque no mês de março no Multiplus. Encontrei opções na econômica por 66 mil ida e volta, e a partir de 110 mil (vide imagem anexa) na Executiva. Não se tratam de voos diretos (diretos por 75 mil cada trecho), mas com escala em Santiago. De qualquer forma você teria a experiência de voar em executiva com sua esposa. https://uploads.disquscdn.com/images/38a9c68206b334f12a2b6c8dd321ee65bee6a939ff17cfff18a5c7120bda1eb0.jpg

    Na mesma época, pesquisando para Paris, encontrei um mínimo de 40 mil cada trecho na econômica (80 no total) e 100 mil na executiva (200 no total).

    Ou seja, com 220 mil pontos na Multiplus você conseguiria uma ida e volta em executiva para a America do Norte, ou seja, com apenas 10% de bônus na transferência seria possível. Para a Europa na executiva seriam necessários 100% de bônus, o tipo de promoção que não acontece há muito tempo no programa. O ponto negativo é a instabilidade de sistema do programa, e também a emissão teria que ser feita o mais rápido possível, já que a tabela irá sofrer alterações daqui 89 dias.

    Como coloquei acima, outra opção seria o Smiles, desde que consiga com uma transferência de 100%, algo relativamente comum esse ano, mas que no passado mais recente (cerca de 3 ou 4 semanas não acontece). Não gosto deste programa e de sua tabela, entretanto é possível encontrar emissões pontuais em linha com as colocadas em sua descrição.

    Utilizando a mesma metodologia da Multiplus, encontrei trechos em Nova Iorque começando em 47,5 mil pontos na econômica (Delta e Aeromexico) e 100 mil na executiva na Delta, com maior disponibilidade por 110 mil, e também possível emitir por 120 mil na ótima Air Canada.

    Simulando Paris encontrei trechos de ida na econômica por 65 mil na Air France e volta por 50 mil na TAP e Royal Air Maroc. Executiva infelizmente encontrei apenas por valores acima de 130 mil.

    Não se trata da solução ideal, mas associando seus 200 mil pontos Santander com algumas promoções na transferência de milhas pode ser possível realizar seu objetivo. Mas dependeria de pesquisas mais específicas de datas e destinos, que não foram aprofundados em seu texto. E digo mais: caso opte pelo caminho do Smiles recomendo assinar pontualmente seu Clube, pois com ele conseguirá um % maior na transferência e valores menores na emissão. Já no Clube Multiplus não vejo tantos benefícios, além deles exigirem uma fidelidade mínima maior

    • SwineOne

      Apesar da pergunta, nesse momento pelo menos, não estava buscando nenhuma recomendação de viagem específica. Só poderei viajar no final de 2019/início de 2020. Quando chegar o momento de emitir essas passagens, a nova tabela da Multiplus estará em vigor, e possivelmente haverá uma nova tabela da Iberia. Se não fosse por isso, haveria a opção de ir de Iberia até Madrid, a 42.500 pontos por trecho em off-peak.

      Era mais um convite à reflexão e à discussão.

      • Fábio

        Nesse caso creio que a melhor solução seja manter os pontos no cartão, e daqui uns 6 meses, com uma visão mais clara no mercado de milhas tomar a decisão para a emissão. Inclusive, o clube do Santander Esfera provavelmente já estará no ar nessa época. Se nesse período o diagnóstico do mercado for pessimista eu faria a transferência para o Le Club.

        • SwineOne

          Os pontos estão quietinhos no cartão mesmo. O que me angustia é que, se o padrão se mantiver, teremos mais uma promoção de bônus em triplo do Santander no mês que vem, e fico naquela dúvida: vale a pena todo o esforço pra bater as metas? (Embora provavelmente dessa vez eu não conseguiria bater nem que eu quisesse…) Outra coisa: quem disse que as condições de transferência de cada programa para o Le Club permanecerão as mesmas?

          • Marcelo Albuquerque

            Ano passado, durante o Black Friday o LeClub Accor fez uma promoção baixando a proporção de transferência smiles para 3:1. Acho q vale a pena definir “gatilhos” para cada programa e acompanhar as promos do próximo mês. 👍

            • Fábio

              A ideia é ótima. O ponto negativo é que as milhas já precisam estar em conta no Smiles para aproveitar a promoção.

          • Fábio

            O maior risco é mudar a pontuação do Le Club para o Smiles. Mas tudo é um risco no mercado de milhas hoje. A política das empresas está bem desleal com o consumidor. Também tenho cartão do Santander. No meu caso o Unique Black. Nas últimas promoções minhas metas foram inviáveis, em torno de 20 mil reais para a maior faixa de bônus. Provavelmente virão novamente assim. E sempre que batia as metas do cartão foi por jogar despesas de minha empresa nele, e nos últimos meses estou em fase de contenção de despesas no trabalho.

            • Cristiano Andrade

              Acho que esse risco está diretamente atrelado ao dólar… se a cotação voltar acima de R$4 consistentemente há o risco, se cair pode ser até que voltemos a ver aqueles 2×1 do Multiplus ou 3×1 do Smiles.

              • SwineOne

                Realmente dá pra ver uma forte correlação entre a cotação do dólar e a taxa de conversão. Acabo de ter uma revelação: trata-se de mais um dos problemas do comércio de pontos, na medida em que o custo do milheiro para compra é atrelado ao real, e não ao dólar. Se não existisse comércio de pontos, e a aquisição se desse majoritariamente por cartão de crédito, que todos sabemos ser atrelado ao dólar, não haveria por que existir essa variação. Talvez isso ajude a explicar parte dos aumentos dos valores para emissão de passagens com milhas.

                No entanto, fico em dúvida se, mesmo com uma eventual queda do dólar, voltaríamos a ver, por exemplo, 2:1 na Multiplus. A situação de hoje é muito diferente da de alguns anos atrás, e isso vai além da questão somente da cotação do dólar. O comércio de pontos provocou uma desvalorização dos mesmos, devido aos valores cada vez mais baixos com que eles são negociados, bônus de transferência, etc.

      • Luiz Carlos Costa

        SwineOne, eu esperaria uma promoção de envio bonificado para o SMILES e ficaria aguardando o Viaje fácil alcançar a sua janela desejável (emissões com 330 dias de antecedência) caso não encontrasse nada, aí eu transferiria para o Le Club e priorizaria uso em hotéis da Ásia, de maior qualidade e com melhor custo benefício devido ao câmbio local desvalorizado (Ex. Bali).
        Abraços!

    • Marcelo Albuquerque

      Só considera no planejamento q emissões smiles via RoyalAirMarrocos e TAP cobram taxa em dinheiro, além das milhas e taxa de embarque. Paris na Smiles sem essas cobranças adicionais só via Airfrance, mas vc gasta uns 20% mais milhas q nas outras…

      • Maslow

        Sem falar que a Royal Air Marroc é uma M…..

        • Cristiano Andrade

          M**** além de serviço é a questão de pontualidade e cancelamento de vôos. Já ouvi mais de um relato de gente com vôos cancelados na saída de Casablanca, e sem definição de realocação, tendo que ficar de standby (ou seja, nem aproveitar para fazer um city tour em Casablanca dá) e perdendo pelo menos um dia de férias (além do estresse). Ahh.. detalhe, achar funcionários em Casablanca que falem inglês parece que é um desafio, ou seja, Royal Air Maroc melhor ir treinando seu francês para qualquer eventualidade.

  • Gustavo Nunes

    No exemplo que deu de transferir pro Le Club, pois geraria em torno de R$9000,00 em hospedagens, eu acho que seria melhor transferir para o Smiles e gerar 380.000 milhas (supondo bonus de 90%), e vender no Max Milhas, por exemplo. Isto deve dar mais de R$9000 pra vc fazer o que quiser. Alguém me corrija aí se tiver algo errado.

    • Cristiano Andrade

      Oras… mas o Max Milhas também deve começar a ver o impacto das novas tabelas e pagar menos por pontos.

    • Janderson Alves Gifoni

      Não dá não! Dificilmente vc conseguirá mais de 230 reais no lote 10.000 milhas!

  • San Santiago

    Já que tem tanto tempo, pq não esperar o Esfera lançar seu próprio programa para ver se compensa resgatar de lá?

  • Leonardo Magalhaes Lott

    Acho que sou muito sortudo, não é possível. Consegui em agosto de 2018 emitir 2 passagens, ida e volta a 90k milhas a perna de executiva pela Alitalia, GIG-ROMA (emissao em cima da hora, 2 semanas antes da viagem). Além dessa, consegui ainda pra março de 2019 GIG-JFK em delta one pelo mesmo valor em milhas (essa com bastante antecedência, em julho de 2018). E a volta dessa viagem, LAS-GIG por 95K milhas.

    Realmente, costumo em função do meu trabalho ter uma certa flexibilidade de datas, podendo alterar em 2 ou 3 dias minha viagem de acordo com disponibilidade de passagens. E concordo que os bons resgates estão mais escassos. Mas não vejo esse Apocalipse NESTE momento como alguns vem dizendo aqui.

    Acho que a piora do mercado vem acontecendo e não sei onde iremos parar. Sigo vivendo a vida de milheiro no melhor estilo “earn and burn” que o Viaje fácil permite… Veremos até quando!

    • Observando Fato

      Acho que voce é muito azarado! Aguarde para ver o tratamento VIP que a Alitalia vai lhe dar e acho que desconhece que a empresa tem o maior indice de sinistro com bagagem das empresas europeias. Sem falar que a empresa esta em DEFAULT em processo de venda que pode nao se concluir e seu voo nunca ocorrer. De um Google para ver a furia dos passageiros.
      Com relaçao a Derta sou impedido de falar para nao contrariar o Sr. Daniel que trata Guilherme de querido.
      Sinceramente, se me fosse DADO os dois bilhetes educadamente agradeceria e nao os utilizaria.
      Ja cansei de prestacao de servico mediocre onde concordo em pagar integralmente o premio solicitado pelo fornecedor do servico.

      Tomara que tenha sorte e eu tenha feito um comentario que nao reproduziu o que ocorrerá. Entretanto, se posso lhe ajudar, aumente a identificacao de suas bagagens no voo europa, interna e externamente.

      sds,
      Celso

      • Leonardo Magalhaes Lott

        Celso, meu voo da Alitalia foi em agosto e foi excelente. Sem nenhuma reclamação sobre o atendimento, e achei a Magnífica uma excelente classe executiva. Não houveram atrasos, minha bagagem chegou a Europa intacta.

        Sobre a Delta, acho a melhor opção de aérea para os EUA atualmente. LATAM e Gol obviamente estão fora de cogitação, American Airlines eu acho insuportável a United e a Continental não tenho uma grande experiência pra comentar.

        Mas realmente a experiência de voo é algo pessoal em muitas ocasiões. E apesar de você não gostar das duas aéreas, o que quis apontar em meu comentario foi apenas que discordo das afirmações radicais de que a Smiles não possui mais nenhum resgate decente.

        Abraco!

        • Observando Fato

          Legal, bom que teve atendimento excelente na Alitalia. Nao é a media.
          As 3 majors sao ruins. Latam inclusive tem 777 sujo. Gor nao existe como empresa para USA.
          Qual seria o resgate descente do Smiles, ele esta sempre disponivel ou é aquela mosca dourarada que aparece na madrugada do dia de finados e ao amanhecer nao existe mais. Voce nao vai vir dizer que é otimo para emitir para Joao Pessoa, como um ridiculo postou há alguns anos.
          Voce esta num mercado que hoje é decadente e talvez nao tenha experiencia com empresa e serviços top.
          A experiencia de voo é algo pessoal sempre.
          Nao sou eu que nao gosto das duas, os passageiros na imensa maioria, vide skytrax.
          abraço!

          E aproveite.

          • Leonardo Magalhaes Lott

            Mais uma vez… Concordo com a decadência e com a dificuldade em achar bons resgates. Não acho o Smiles a última maravilha do mundo. E creio que em voos diretos para os EUA e para a Europa (motivação inicial do post) a exceção da Lufthansa que é considerada 5 estrelas, teremos ali British, Air France e KLM talvez superiores (mas como meu destino era a Itália, melhor um voo direto).

            Para os EUA acho todas farinha do mesmo saco. Então, mais uma vez, opto pelo voo mais “objetivo”. E minha experiência recente com a Delta é boa.

            Pelo fato dos resgates com o Smiles não serem fixos, realmente os bons dependem de busca e, como escrevi no meu comentário original, uma certa flexibilidade de datas (que eu consigo em meu trabalho). Então, não vejo bons resgates fixos por lá. Mas acho que eles são um pouco mais frequentes do que apenas “na madrugada do dia de finados”. Esse ano consegui resgates que considero bons para EUA, Europa, Argentina e Caribe… Concordo que a cada dia venho tendo mais dificuldades, mas me utilizando do Viaje Fácil consegui garantir as passagens e não ficar com uma poupança de milhas em um programa que efetivamente fica mais obscuro a cada dia. Não considero essa uma estratégia BOA na essência, mas hoje, considero a melhor que encontrei.
            Abraços.,

            • Observando Fato

              Penso igual a voce.
              abraço.

          • AGB

            hahaha… quero entender o ‘recusar educadamente’ como uma hipérbole. (polemizando)

            • Observando Fato

              nao , nao, é meu sentimento real.

              sds.

        • Fábio

          Minha experiência com a Alitalia foi ruim. Tive uma mala avariada que chegou toda colada com fita adesiva no Brasil. Dizem que o problema não é com a Alitalia, mas Fiumicino, mas isso não faz muita diferença para o cliente brasileiro já que este é o hub usado pelos vôos dessa empresa com origem e destino no Brasil.

          Voei com a American para NY em 2014 e tive um ótimo serviço, melhor que a TAM, o que não é um bom parâmetro de comparação. Entretanto dizem que a qualidade da AA caiu muito nos últimos tempos.Há pouco mais de 2 anos voei pela United para Hong Kong com escala em Chicago, e detestei a empresa e as políticas mesquinhas que parecem ter o objetivo de humilhar o cliente de econômica. Considerava a Delta como a pior das 3 major americanas, mas aparentemente a empresa melhorou bastante, ou melhor, a American e United pioraram seu serviço. De qualquer forma parece que a Delta é atualmente a empresa americana que melhor trata o consumidor. Se quiser fugir das americanas, uma opção boa para a America do Norte no Smiles é a Air Canada.

          • Observando Fato

            Na Alitalia sua experiencia ruim é o que MUITOS viajantes relatam, porém o Leonardo teve uma experiencia excelente, contrariando a media.
            A American sempre foi um Bradescao, porém vem investindo em frota e lounges mais que a media das demais. Entretanto, Delta One é um produto melhor que a nova business da American. A TAM nao convence e a LATAM tá bem, bem ruim. Acredito que o catering da United seja pior que o da GOL ( pode isso Arnaldo?). Prefiro comer barrinha de cereal do que aquele Ravioli cru com sabor de Ervilha com Marshmallow que eles servem em business. A Delta tem na Delta One o melhor assento em C. Air Canada é outro papo.

            sds

  • Observando Fato

    A conta nao é bem assim. O bonus de 90%, que me foi oferecido, foi conferido a assinantes do Clube Smiles, Logo o custo do club em todo periodo de adesao deve estar embutido. Portanto abater esse custo do valor informado é necessario.

    Com 200.000 no Esfera, HOJE, com atuais parceiros e condicoes nao temos como emitir round trip em C, para dois passageiros rumo a AM. do Norte.
    A transferencia pode ser feita a qualquer momento e se sua viagem ocorrera no medio prazo, aguardar inclusive com eventual adesao de novos parceiros pode dar alguma vantagem competitiva.

    Destaco duas manifestacoes suas>>>

    1-) “Só para dizer que esse ano, mais do que os anteriores, contamos com aqueles guest posts do Carlos e do Celso, analisando os bônus de transferência e a nova conjuntura dos programas de fidelidade, pois parece que agora não temos mais para onde correr.^ Discordo, temos sim e ha muito tempo ja falava na utilizacao de OUTROS programas que nao o LATAO e SMILES.

    2-) Existe outro lugar do mundo onde as pessoas são tão financeiramente analfabetas que tratam compra de milhas e Clubes como poupança/investimento? >>> E o que é pior sao incapazes de apreender e defendem seus erros com argumentos desfocados da realidade. Veja o que um pofessor universitario brasileiro fala- Lulla foi condenado sem provas! Outros veem praticas e mais praticas do Smiles em detrimento do cliente e defendem ferozmente o programa com argumentos do tipo ele é otimo!

    Ir de executiva e para economizar migalha voar com escala em aeronave velha é como ter cartao Black do Bradesco! Assim nao!

    Nao espero nada diferente da nova empresa do Esfera.

    Apesar de tudo isso o Brasil é um pais maravilhoso e vai transformando-se rapidamente e melhorar muito

    sds,
    Celso

  • Lucas

    Não posso concordar com a conclusão que nós somos culpados. O comércio de milha sempre existiu, mas foi potencializado pelos Bônus de transferência criados pelos programa de fidelidade que viraram empresas independentes focada no lucro e não em recompensar seus clientes fiéis.
    As regras de restrições ao comercio de milhas nunca foram aplicadas pelas empresas aéreas e em algum momento foram incentivadas. Vai vender milhas da AA para vc ver o que acontece.
    A consrquencia foi a inundação de milhas no mercado.
    Porém não sejamos inocentes. Mesmo com a quantidade de milhas é promoções diminuindo as tabelas se manterão na estratosfera.
    Quanto ao Le Club acho uma boa saída quando se tem bônus de transferência. Porém do le Club para alguns parceiros tb tem deságio 2:1 o que não torna atraente.

    • SwineOne

      O comércio de milhas, no formato atual, com milhas comercializadas a baixo custo, comércio este chancelado pelas empresas por meio de ofertas das próprias empresas e Clubes de milhas, além de outros subterfúgios como o Livelo e o Km de Vantagens, efetivamente só começou há existir há uns 4, 5 anos. Antes disso, o que podia existir era negociação de milhas entre pessoas físicas, talvez existisse a Hotmilhas naquela época (e devia ter menos de 1% do tamanho que o MaxMilhas, por exemplo, tem hoje), pode ser que algumas empresas vendessem milhas a US$ 30 o milheiro, coisas do tipo.

  • Luiz De Freitas

    … normalmente em uma viagem de 7 dias o custo de hospedagem em hotéis 3/4 estrelas representa uma porcentagem alta do custo total … nos hotéis da rede Accor em geral já sei o tipo de quarto, café da manhã, etc que encontrarei o que nem sempre acontece em hotéis não pertencentes a uma cadeia internacional … manter pontos Accor é como ter uma poupança em moeda forte (Euros, US$) funcionando como um hedge contra as variações cambiais do Real o que permite um maior planejamento das viagens …

    • SwineOne

      Exatamente a visão que eu tenho. Não é à toa que sempre tenho, na Accor, pontuação suficiente para pagar pelo menos pela minha próxima viagem internacional. Além disso, com as promoções de 6 a 10 mil pontos todo ano, dá pra ir crescendo o saldo. Quando coincide a época destas promoções com uma viagem já planejada, aí sim dá para fazer uma festa, como fiz há alguns anos atrás e que originou um post aqui, alternando entre reservas feitas no meu nome e na minha esposa, e ao longo da viagem atendemos os requisitos tanto para mim quanto para ela. Em uma promoção como a atual, de 6.000 pontos (que está longe de ser a melhor que eles já fizeram), já são 240 euros a mais no saldo dos dois.

      • Luiz De Freitas

        … sim é isso aí … já fui platinum há 3anos e agora Gold … após a última alteração nas regras do LeClub acabei deixando prescrever mais de 26.000 pontos lá mas graças a dicas de outros participantes aqui no blog e após muitas ligações consegui reavivá-las … pretendo ter uns 500K no LeClub transferindo, com estadias e aproveitando promoções … estou nesta dos 6000 pontos (ponta Porã -Íbis, CGR-Novotel, Buenos Aires-Novotel) e tb na de 3 noites pagando 2 …

        • Henry

          A Accor tem sido muito desleal com esse negócio de pontos expirando..
          Os caras enviam zilhões de e-mails oferecendo hospedagem, mas não tem a decência de enviar um ou dois e-mails comunicando que seus pontos vão expirar…
          E pior, ter que ficar implorando e eles não reativam fácil….

  • Cristiano Andrade

    Primeiro minha opinião em relação ao Swine.
    Como não tem nenhuma intenção de emitir as passagens em Business, acredito que a melhor opção é monitorar os preços de passagens promocionadas e fazer em dinheiro (acho até que mesmo antes de todas as mudanças já era esse o caso para quem vai de Econômica). O problema dessa estratégia é que em geral as boas promoções aparecem por volta de 3 meses antes da viagem. Mas já vi muita coisa interessante para 6 meses antes também.
    Aí joga os pontos do cartão de crédito no Le Club se a rede lhe atender na região que pretende visitar. Tem um problema que algumas tarifas promocionais da Accor não aceitam o uso de pontos como pagamento. Então, nesses casos, o valor do ponto não é mais 2 centavos de euro, mas algo abaixo disso.
    Eu gosto muito dessa estratégia, não gaste com hotéis (e pode incluir o café da manhã nisso) e paga as passagens em dinheiro.

    • SwineOne

      Pelo contrário, gostaria sim de emitir as passagens em executiva. Caso os valores da Iberia se mantenham (GRU-MAD-GRU por 85.000 pontos) até a época em que possa programar a minha viagem, quase certamente farei essa emissão.

      O que me preocupa é que não sei se isso se manterá até lá, e em se extinguindo essa oportunidade, o que mais que existe? Pelo que sei, a possibilidade que talvez existiria seria uma boa bonificação para o Smiles (100%), e emissão de trechos em executiva pela Delta, por cerca de 100.000 milhas cada perna. Esse foi o ponto do meu comentário de que valeria mais a pena mandar para o Le Club.

      E mesmo que se mantenha, não deixa de ser um convite à reflexão: 85.000 pontos Esfera, fazendo a operação de transferência bonificada no Smiles, virariam 42.500 pontos Le Club, os quais correspondem a cerca de R$ 3.700 à cotação de hoje. Tudo bem, passagens de executiva a R$ 3.700 ida e volta seriam uma barbada, mas como já disse, um valor como esse me dá uma certa dor no coração de gastar por uma passagem, sabendo os valores que dá para conseguir na econômica. Sem contar que, hoje, dentre os programas para os quais o Santander envia, é apenas 1 destino (MAD) que se consegue a um valor desse, e pelo que ouço falar, com uma companhia cuja executiva não é tão boa assim — e há uma promessa de que a tabela da Iberia mudará num futuro próximo, e aí as demais opções se mostrarão bem mais caras. Vale observar que, para quem considerar que isto tem valor, a operação de enviar a pontuação para o Le Club via Smiles já garante Smiles Ouro, e com mais alguns pontos/viagens/Clube Smiles, consegue-se Smiles Diamante.

  • Cristiano Andrade

    Agora minha reflexão em relação ao meu caso.
    Para 2019 estou praticamente resolvido, mas para 2020 que não sei…
    Tenho pouca coisa no Amigo (consegui umas emissões interessantes antes da desvalorização, que me garantiram a viagem em Julho/19), quase nada no Multiplus, um saldo no AAdvantage. Mas tenho sempre meus acúmulos de viagem, e estou pensando em migrar pesadamente para o Life Miles (tenho usado Avianca Brasil doméstico e Avianca Brasil e Avianca Intl para vôos aos EUA, iria chegar ao Diamante no Amigo). Migrando pro Life Miles garanto mínimo de 500 pontos nos vôos domésticos (mesmo em tarifas promo!). Posso complementar pontuação no programa com transferências do Livelo (será que o 1:1 ficará perene? Acho que depende do dólar…). A outra opção seria (se os preços permitirem) voltar a AA (fazer um challenge para Platinum no começo do ano) e concentrar por lá. Aí os domésticos mantenho na Gol (onde sou Diamante) para jogar pro Le Club.
    De qualquer forma, com acúmulo no Life Miles acho que dá para emitir 1 ou 2 passagens (o que dá mais flexibilidade do que 3), faço as outras pagantes. Aí os pontos de Livelo mando para Le Club e não gasto com hotéis. O problema dessa estratégia é encontrar hotéis Accor que me atendam na região que pretendo visitar.
    Exemplo de regiões em que Accor pode não resolver:
    1. Resorts All Inclusive no Caribe ou Riviera Maya (apesar de boas opções em Cuba e de opções de Fairmont a preços beeeem altos na Riviera Maya)
    2. Resorts no Brasil (antigamente tinha a opção do Summerville de Porto de Galinhas, mas saíram da rede… agora….
    3. Cobertura de hotéis nos EUA (mesmo com as opções de Fairmont, tem muito poucas opções)
    4. Orlando (se você pretende ficar em hotéis da Disney)
    5. Resort ou Estações de Ski na Europa / US

    Porém tem muitas opções excelentes:
    1. Hotéis urbanos na Europa, Asia, Austrália (para todos os gostos e budgets)
    2. Resorts na Ásia
    3. Boa cobertura na África do Sul (inclusive resorts de Safari)
    4. Dubai
    5. Mauricio, Seychelles, Maldivas, Madagascar
    6. Polinésia
    7. Hotéis baratos (Ibis) no Brasil

    Acho que depende um pouco de destinos… se 2020 incluir África do Sul e Índico (Mauricio ou Madagascar), tentarei não gastar em hotéis e em ao menos uma passagem usando Life Miles. Mas se eu quiser ir para Hawai ou Caribe ou estação de ski… não sei. O raio é que em 2 semanas tem uma das minhas viagens para EUA de Avianca, essa semana vôo doméstico de Avianca… e tenho que decidir onde pontuar já que até semana passada pensava em ficar no Amigo (porque não imaginava uma desvalorização tão grande).

    Dureza…

  • Henry

    Swine…
    Desculpa pela demora…então, vamos lá..
    Com 200.000 pontos no Esfera, vc consegue sim emitir duas passagens de ida/volta em executiva para ir para Europa com sua esposa…
    Hoje simulei GIG MAD, ida dia 09/out/19 e volta dia 18/out/19 e achei a passagem em executiva, por 170.000 ávios + 103,48 euros de tarifa aeroportuária..
    Os 30.000 ávios que sobram, vc pode fazer outros trajetos, em econômica, na Iberia….
    Por exemplo, dia 10/out, tem MAD=>LHR, por apenas 7.200 ávios + 40,00 euros (emissão ávios+money) + 38,88 de tarifa aeroportuária…
    De Londres, vc pega um eurotrem para a Cidade Luz – Paris…. (não vale a pena sair de Londres de avião, as tarifas são estratosféricas…)
    Supondo que vc ficou 2 dias em Londres, e 3 dias em Paris, vc pode dar um pulinho em Roma, ou ficar mais alguns dias em LHR/CDG e tb em MAD na volta..
    Os 30.000 ávios que te sobram dá pra vc rodar a Europa com sua esposa, usando ávios + money…
    O trajeto que realmente importa é Brasil x Madri.. e esse vc vai de executiva…
    Nem precisa falar que 2 passagens em executiva custam MUITO mais caro que 2.000 euros da opção de gerar voucher´s Le Club…
    Lembre que depois do dia 06/12, termina o prazo para o pessoal emitir/gastar os ávios que ganharam naquela promoção maluca da Iberia (os tais 90.000 ávios)..
    Então, em tese, do dia 7/dez em diante, vc terá disponibilidade maior para viajar para a Europa…lembrando que só vale a pena se vc for de Iberia em executiva, porque eles têm trechos por 42.500 ávios… a Bristish, os trechos custam pra lá de 60.000 ávios… e sair de LHR é muito caro por conta das tarifas…

    Mas.. vamos falar um pouco de Le Club…
    Além de ter status gold, eu tenho o cartão Business… ele custa 170 euros/ano.. mas este ano eles me mandaram uma promoção e eu paguei apenas 136 euros (ou 138)…
    Com o cartão Business, eu tenho bons descontos na rede Accor.. na faixa de 10 a 20%.. em apenas uma estadia de 1000 euros/dólar, o cartão se paga..
    Pra mim vale a pena porque ainda tenho muitos pontos por lá… embora este ano, a lua de mel de minha filha tenha dado um baque no saldo…. rsrs
    Pra Europa o Le Club é bom, com muita diversidade na rede….. pros EUA é fraco… porque só tem poucas opções de hotéis só para dormir e tomar um bom café da manhã.. são hotéis mais caros, que nem valem tanto a pena porque ficamos fora o tempo todo curtindo o destino…
    Pra vc ter ideia, eles tem 1 hotel em Miami (Pullman), 2 em Manhattan (Novotel e Sofitel), 1 em Washington (Sofitel… esse é excelente), 1 em San Francisco (Pullman), e 2 em Los Angeles (Sofitel e Mama).. ah sim.. eles compraram uma rede de hotéis melhores, mas como te disse: pra que gastar rios de dinheiro se vc está o dia todo na rua, comprando, passeando ou nos parques ???
    Até 2 anos atrás, um grupo brasileiro (do Espírito Santo) estava construindo um hotel Ibis em Miami, mas depois eles fizeram um acordo com a Wyndham Grand (200 quatros) e TRYP (245 quartos)…
    Nos EUA, eu prefiro usar a rede IHG… compro os pontos nas promoções de 100% de bônus… e uso ou não, de acordo com a pontuação exigida por noite…
    E pagando cash, sempre encontro boas opções na rede BestWestern… mas é hotel para família, com quartos para até 6 pessoas… com boa relação custo / benefício.. e para quem vai ficar o dia todo passeando…

    Eu usaria os pontos para viajar em executiva na Iberia…
    Outra opção é vc fazer Brasil x Madri em econômica mesmo… de repente vc acha trechos por 17.000 ávios ( x 4 = 68.000 ávios).. te sobrariam 132000 pontos que vc poderia aguardar uma promoção do Smiles de 90%… eles se tornariam 250.000 milhas, que, dividida por 3.850 milhas, te gerariam 64.000 pontos Le Club, com os quais vc geraria 32 x 40 = 1.280 euros Le Club…
    Com isso , vc pode pagar parte das diárias na Europa usando esses 1.280 euros…
    Ah… tem o cartão Ibis do Le Club.. se não me engano, esse custa 99 euros e te dá 10% de desconto sobre as hospedagens na rede Ibis.. e 10% de desconto em restauração na rede Accor… e, até uns tempos atrás, esse cartão de dava automaticamente status Gold… essa dica eu vi no site da Beatriz.. era o caso de verificar com os amigos se o status gold ainda está rolando…

    Como eu disse: a melhor aplicação para esses 200.000 pontos é emissão de passagens executiva na Iberia…

    • SwineOne

      Henry,

      Obrigado pelos comentários. Realmente, minha intenção é usar essa emissão da Iberia, caso ela ainda esteja disponível quando eu puder realizar esta emissão.

      Com relação aos cartão do Ibis/Accor, é algo que realmente devo verificar quando estiver me planejando para a minha próxima viagem. É uma questão de comparar o custo de fazer com e sem esse cartão — qualquer coisa eu peço uma ajuda sua quando chegar a hora, para você verificar os descontos nos hoteis que eu estiver interessado naquele momento. A questão do status na Accor também é muito interessante. Esta semana vou garantir a 30a. diária para permanecer Gold ano que vem, mas para o ano seguinte é menos provável que consiga atingir esta quantidade de hospedagens, então seria uma forma de manter os benefícios, especialmente upgrade de quarto caso se hospede num Mercure ou superior.

  • Henry

    Swine..
    Dá uma olhada no site do Alexandre de Primeira….. eles postaram uma tabela com disponibilidade de passagens em executiva GRU/GIG => MADRI, por 42.500 ávios.. pro ano que vem.. tem muita coisa.. é como te disse, é a melhor utilização de seus pontos Esfera…

0 Flares Twitter 0 Facebook 0 Google+ 0 0 Flares ×