[Guest post] Ideias Gerais: sobre nichos de oportunidades no Smiles e no Tudo Azul (existem?), disponibilidades de passagens-prêmio nos programas luso-brasileiros de milhagens, e assuntos correlatos!

0 Flares Twitter 0 Facebook 0 Google+ 0 0 Flares ×

Completando a quadrilogia de guest posts de final/começo de ano, o Carlos nos brinda com ideias gerais sobre os principais programas luso-brasileiros de milhagens aéreas. Confiram!

……………………………….

Smiles e Tudo Azul: nichos de oportunidades

“Baseado no levantamento de custos de emissões de passagens internacionais com milhas, dos cinco programas “luso-brasileiros” (post aqui), há, aparentemente, dois que não são muito úteis para estes fins: Smiles e Tudo Azul.

No caso do Tudo Azul, é claro que seu foco são emissões de passagens nacionais, já que os únicos parceiros internacionais que possui são TAP e United Airlines.

No mercado doméstico, pode ser altamente vantajoso utilizar o programa. Já consegui emitir uma passagem BSB-CNF por 5k quando custava mais de mil reais, embora isto seja mais uma demonstração do absurdo que o preço estava.

Pode ser que haja casos em que, em alguma baita promoção, a emissão de passagens Brasil – América do Norte ou Europa seja vantajosa pelo Tudo Azul. E há alguns usos mais específicos no qual o programa não é ruim. Por exemplo:

. Passagens domésticas nos Estados Unidos a 15k (Amigo Avianca cobra 12,5k, vou usar o Amigo Avianca como referência por emitir somente ida, e ter acesso ao mesmo inventário);

. Passagens Estados Unidos – Europa a 45k na classe econômica e 80k na classe executiva na United Airlines, e 50k e 80k, respectivamente, na TAP (50k e 80k no Amigo Avianca).

. Voos internos na Europa com a TAP a 15k na classe econômica e 20k na classe executiva (25k e 30k no Amigo Avianca).

Já o Smiles é um caso especial. Praticamente um Darth Vader dos programas de milhagem, é um caso de profundo amor e ódio entre os diversos leitores do MMdM. Por ser o único dos programas que adota uma tabela flutuante, não há como se ter certeza dos valores que custarão as passagens.

Porém, esta imprevisibilidade do programa é compensada por uma opção que acho muito interessante, o Viaje Fácil. Objeções morais à parte, é o Smiles assumindo que não é dos mais confiáveis e propondo uma relação aberta:

“Eu não prometo quanto vou cobrar de você mas também não exijo sua fidelidade. Pode ficar com seus pontos e só transfira para mim quando efetivamente me usar”.

Por R$ 120, tem-se até 60 dias antes do embarque para fazer o pagamento dos pontos. E este é o grande ponto: não tenho certeza de quanto vai me custar a passagem mas, se por acaso eu achar um valor ou oportunidade que acho vantajoso, garanto minha passagem primeiro, e as milhas depois.

Além disso, há uma série de trechos que possuem valores atrativos no Smiles (embora sejam todos fora do Brasil):

. América do Norte – Ásia por 50-60k na classe econômica e 85-100k na classe executiva (90k e 100k no Amigo Avianca, 60k e 110 no Multiplus Fidelidade).

. América do Norte – Oriente Médio por 48-55k na classe econômica e 110k na classe executiva (40k e 100k no Multiplus Fidelidade).

. Europa – Ásia por 45k na classe econômica ou 120k na primeira classe (50k e 160k no Multiplus Fidelidade).

. Oriente Médio – Oceania por 55k na classe econômica, 110k na classe executiva ou 140k na primeira classe (40k, 90k e 120k no Multiplus Fidelidade, respectivamente).

Levando em conta que os bônus Smiles são maiores e mais frequentes que os do Multiplus Fidelidade, pode ser vantajoso utilizar o programa.

Há um outro aspecto no programa que também é bom e ruim. As emissões são todas online, não sendo necessário esperar vários minutos por atendimento telefônico, e serem mais transparentes a disponibilidade, custo e taxas envolvidos. Mas isto também deixa à mostra algumas inconsistências do sistema.

Se você pesquisar um trecho A-B, pode não ter a opção direta mas uma outra A-Y-B. Tendo achado esta, você pesquisa Y-B e esta não aparece e surge agora uma Y-A-B, sendo que só A-B não funciona.

Também fica clara a inconstância de alguns programas parceiros, que hora tem várias disponibilidades e outras parecem que estão rompidos, como com a Alitalia.

No quesito disponibilidade, tirando os exemplos estranhos acima, o acesso do Smiles ao inventário das empresas parceiras parece ser bastante similar ao de outras companhias. Nas pesquisas que já fiz, os assentos da Qatar batem com o inventário disponível com o Multiplus, os da Etihad Airways batem com o do AAdvantage, os da Emirates batem com o do Victoria TAP, os da TAP batem com o da United, e os da Delta batem com o do SkyMiles (somente as tarifas mais baratas).

Disponibilidade de passagens-prêmio nos programas luso-brasileiros

Um quesito fundamental, mas de difícil mensuração, é a questão da disponibilidade. Não adianta nada um programa ter uma tabela maravilhosa, bônus de transferência de 500%, se na hora de utilizar os pontos não se encontra nada disponível.

Neste ponto, a colaboração dos demais leitores com sua experiência será de fundamental importância. Vou colocar abaixo o que me lembro e peço que acrescentem nos comentários o que ficou para trás.

No geral, a disponibilidade de dois ou mais assentos na classe executiva em voos de/para o Brasil não é muito boa. E isto não é alguma maldade dos programas de fidelidade, mas uma restrição imposta pelas companhias parceiras, independentemente do programa ser nacional ou estrangeiro. Não me parece que nosso mercado seja tão saturado assim de milhas, já que a população que efetivamente utiliza milhas é bastante reduzida. Mas isso é apenas achismo. Na classe econômica, a disponibilidade de assentos me parece ser bem razoável, mas não costumo pesquisar estas emissões, então não sou muito indicado para falar sobre este ponto.

Em linhas gerais, para as regiões exposta no levantamento de custo (post aqui), teríamos:

. América do Sul: predomínio total do Multiplus Fidelidade com voos Latam, embora, neste caso, a tabela seja flutuante. Amigo Avianca e Victoria TAP têm acesso aos voos Avianca Colômbia e Copa Airlines, mas as conexões são piores. Smiles tem uso bastante limitado com voos da Qatar Airways e Emirates para Buenos Aires, e voos da Aerolíneas Argentinas;

. América do Norte: vantagem para os programas Star Alliance Amigo Avianca e Victoria TAP. Opções de voos com Copa Airlines, Air Canada, United, Avianca Brasil, Avianca Colômbia. Boa disponibilidade apenas com Copa Airlines. United Airlines tem ótima disponibilidade em cima da hora (duas semanas antes dos voos) e alguma disponibilidade com muita antecedência, no limite dos calendários (mesmo caso Air Canada). Avianca Colômbia com vagas aleatórias, e Avianca Brasil é uma incógnita para mim, já que o sistema da United mostra apenas a classe econômica.

Multiplus Fidelidade tem boa disponibilidade com voos Latam mas, novamente, com tabela flutuante. Vagas na American Airlines são difíceis de achar mas, ocasionalmente, abrem várias datas do calendário.

Smiles fica restrita ao que é liberado pela Delta, que atualmente é pouquíssimo. Delta abre vagas em datas aleatórias ao longo do calendário e, nestes dias, é possível achar 6 ou + assentos.

. Europa: para esta região, acho as opções equilibradas. Multiplus Fidelidade tem boa disponibilidade em voos da British Airways e nos seus próprios voos, com tabela flutuante, e razoável disponibilidade com a Iberia. Victoria TAP e Amigo Avianca têm boa disponibilidade com Swiss e TAP, esta última com excelente disponibilidade de assentos com bastante antecedência e saindo de aeroportos no Nordeste. Turkish Airlines tem razoáveis vagas e Lufthansa praticamente não libera nada. Smiles tem as boas opções da TAP e, em dias de lua cheia, com a Alitalia. Air France e KLM são indiferentes, pelo preço que custa a emissão de assentos em seus voos.

. Oriente Médio: vantagem para Star Alliance com voos Swiss e Turkish Airlines passando pela Europa. Victoria TAP tem a vantagem de emitir a ótima e disponível Emirates, mas cobra bem mais que o Amigo Avianca. Multiplus Fidelidade pode ser bom se conseguir tarifar por destino, combinando Latam, British Airways, Iberia e Qatar Airways. Voos diretos da Qatar Airways estão em extinção. Smiles tem ótima disponibilidade de Emirates, mas cobrando os olhos da cara, mais rins e fígado.

. Sul África: leve equilíbrio. Amigo Avianca possui o melhor custo, e emite as disponíveis South African e Ethiopian, mesmo caso do Victoria TAP. Multiplus Fidelidade, de vez em quando, oferece bons custos e vagas em voos Latam, e cobra horrores para voar South African.

. Ásia: Star Alliance leva bastante vantagem pela quantidade de companhias asiáticas e com boa disponibilidade (ANA, Asiana, Air China, EVA, Thai), voando por América do Norte ou Europa. Pela Europa também tem boas vagas com LOT, Austrian, Turkish, Swiss. Seria um empate entre Victoria TAP e o Amigo Avianca, se este último não tivesse sérios problemas para tarifar companhias asiáticas (post aqui).

Multiplus Fidelidade tem boa disponibilidade com a British Airways, e, quando tem vagas baratas, Latam, combinando com Cathay Pacific e JAL.

Smiles tem boas vagas na Alitalia em solstícios e equinócios.

Eventualmente, pode ser interessante usar um programa para voar até América do Norte ou Europa, e outro de lá para Ásia.

. Oceania: este é o destino mais complicado para se chegar com milhas. A disponibilidade de assentos é sempre muito baixa e sua flexibilidade e sorte têm de ser totais. Vantagem para Multiplus Fidelidade em voos Latam e, muito ocasionalmente, Qantas. Victoria TAP também é boa opção voando Emirates.

Eventualmente, pode ser interessante usar um programa para voar até Europa ou Oriente Médio e outro de lá para Oceania. No momento, a Qatar Airways tem boa disponibilidade (para o padrão Oceania) em voos de Doha para Melbourne ou Sidney, voando em classe econômica ou primeira classe.

NOTA DO EDITOR: a propósito do tema, o Celso publicou um guest post excelente sobre como chegar à Oceania, principalmente Austrália e Nova Zelândia, utilizando milhas e pontos (post aqui). Está imperdível! 😀

Conclusão

Bom, é isso. Juntando custo em pontos e disponibilidade, novamente destacam-se os programas Multiplus Fidelidade, Amigo Avianca, e Victoria TAP. Smiles tem alguns nichos interessantes, e apenas o Tudo Azul eu acho praticamente inútil pela parceria com apenas duas empresas aéreas. Mesmo com tabela ruim poderiam ter alguma utilidade se fizessem mais parcerias individualmente com empresas, como o Smiles, ou se afiliassem a alguma aliança global.”

……………………….

Quer aprender mais? Então leia os demais guest posts do Carlos:

Agradeço ao Carlos pelo trabalho de altíssimo valor agregado, realizado nessa compilação de ideias!

  • Luiz Carlos

    Boa Carlos, parabéns pela ótima contribuição ao blog. Senti falta apenas da América Central nesse posto, não há opções de vôos pra lá com milhas?

    • Bruno80

      Luís, para América Central o Victoria custa (saindo de qualquer lugar do Brasil) 35k econômica e 50k executiva (mas tem o inconveniente de ser ida e volta) com a Avianca e Copa, mas pode fazer stop over, aí var depender mais do destino, vejo mais vagas em J que em Y, além de GRU ou GIG operar BOG ou LIM no A330, e de lá pode restringir mais por ser A320 BOG-San Salvador por exemplo, já pensei em fazer GRU-BOG-CTG em J e comprar jet Blue CTG-FLL por mais 200USD (voo de 3 horas), ficaria bem barato e só valeria a pena pra quem quer visitar Cartagena

      • Luiz Carlos

        Obrigado, Bruno!

        • Guilherme

          bom lembrar, que caribe é diferente da américa central no victoria, custando o mesmo que Canadá, EUA, e México

  • Tarcísio Bezerra

    Carlos, meus parabéns, excelente postagem mesmo!

    Existe alguma tabela, como foi feita de uma postagem de medidas de voos saindo do Brasil, porém saindo da Europa, EUA, já li algumas vezes aqui, que no Victoria por exemplo, são melhor, emitir EUA depois Oriente médio do que direto do Brasil para o oriente médio. Isso somando Open jaw e stop ouver 2 cada um, sairia melhor ainda.

    Já estou a algum tempo no mundo das milhas, não sou nível Hard ainda, mas hoje foco para voos internacionais, e pelo que já li por aqui, a TAP, é uma excelente opção, principalmente para viajar em cabine premium. Com isso queria ter noção das emissões vantajosas a tarifas possíveis.

    • Carlos

      Não conheço, é questão de consultar as tabelas das empresas, o que é simples. Só o Smiles que não tem tabela, então é preciso simular os trechos.
      Para o Oriente Médio não é vantagem fazer isto, fica mais caro, é para a Ásia que fica mais barato e, consequentemente, aumenta a quantidade de trechos.

      • Tarcísio Bezerra

        Ano passado, voei para o oriente médio a 50k mais 25k do trecho até a Ásia pelo smiles.

  • Priscila E Vantuil Fernandes

    Bom levantamento, agora estou focando meus pontos no livelo para uma futura transferencia Victoria, porem esses pontos seram provenientes de compras a 50%, ja estou morando na europa e vejo ele como o mais viavel no momento. tambem estou tentando multiplus porem com a instabilidade de suas reglas fica dificil de depositar muita confianca, e o smiles ja teve seus anos dourados, quando era possivel emitir CAI/BKK em primeira classe com a Qatar por 32k, hj o mesmo sai a 120k, nao esta mal pela facilidade em conseguir os pontos….Parabens pelo site,

  • Joao

    Problema da TAP tá sendo a taxa combustível absurda! México vc colocou como america central ou do norte? Acho que depende da tabela da Cia ne

    • Carlos

      As regiões variam, mas suponho que em todas seja o mesmo valor que dos Estados Unidos.

    • Albino

      Mas a taxa é só para voos Tap e nas parceiras que também cobram. Não são todas as passagens.

  • Fernando de Azevedo

    Parabéns pelo artigo de utilidade pública. Com a ajuda do blog, estou viajando mais e com mais conforto. Que tal um artigo sobre os melhores cartões cashback do mercado brasileiro? Essa é uma dúvida que me atormenta, pois em boa parte das vezes, além da passagem aérea mais em conta (não me refiro a business ou first), o comprador ganha milhas qualificaveis, estas sim milhas valorosas. Obrigado desde já.

    • Albino

      Passa lá no posto ipiranga (outro site kkkk) que teve um post sobre isso ontem. Provavelmente vc viu e sugeriu esse levantamento aqui tb.

      • Fernando de Azevedo

        Albino li sim a matéria. Lá a discussão era se compensava ou não o cartão cashback. Logo não é o mesmo assunto.

        • Fernando de Azevedo

          Além disso, o ambiente lá não é colaborativo, como tenho a impressão de que é aqui.

          • Albino

            Com certeza !

        • Albino

          Eu, particularmente, acho que seria um assunto fora do foco do blog pois, afinal, o objetivo dele é maximizar o ganho de milhas.
          Acho que a avaliação de cartões cashback poderia constar no outro blog do Guilherme, o Valores Reais.

          • Carlos

            Até que não, o Guilherme escreveu uma série de excelentes análises de cartão de crédito na época do Aquela Passagem.
            Talvez possamos ter uns guest posts do autor do blog sobre o assunto. ????

            • Guilherme

              rsrsrsrsr……. meditarei a respeito, estimado Carlos! 😀

  • Guilherme

    Sempre ótimos posts do carlos!

    “Ásia: Star Alliance leva bastante vantagem pela quantidade de companhias asiáticas e com boa disponibilidade (ANA, Asiana, Air China, EVA, Thai), voando por América do Norte ou Europa. Pela Europa também tem boas vagas com LOT, Austrian, Turkish, Swiss. Seria um empate entre Victoria TAP e o Amigo Avianca, se este último não tivesse sérios problemas para tarifar companhias asiáticas”

    Alguém conseguiu no passado recente emitir First com Ana/Asiana via tap victoria?? me parece que estão iguais o Amigo com as cias asiáticas… sempre q tentei, na hora da simulação aparece erro

    • Carlos

      Bem lembrado! Ana e Asiana em primeira classe não funciona no Victória. Mas ainda é bem melhor que no Amigo, pois neste não funciona direito Ana, Asiana, Air China e Eva em todas as classes.

  • Albino

    Eu complementaria o uso dos pontos do Tudo Azul para resgate de “qualquer” passagem (exceto as low costs e cias que só vendem pelo site próprio) através do portal em parceria com o Viajanet. Estive pesquisando alguns trechos intra-europa e estão com valores interessantes. Além disso, é uma forma de pagar o bilhete no Brasil, ao invés de comprar no site da companhia estrangeira, com câmbio do cartão e IOF.
    Estou aos poucos explorando essa nova ferramenta e acredito que a usarei algumas vezes esse ano.
    Lembrando ainda que passagens compradas nesta modalidade pontuam normalmente, diferente das passagens compradas com pontos Multiplus/Amigo/Smiles/TudoAzul diretamente.

    • Khalil Chaves

      Eu complementaria o tudozaul com a ferramenta que lançaram recentemente para consulta na TAP e United. Pesquisei na United trechos internos nos USA e estão cobrando 15k pontos, que considero bom negócio. Brasil / Houston está 50k econômica e 100k executiva.

    • Carlos

      Interessante, você podia depois escrever seus resultados.
      Eu escrevi que acho o Tudo Azul inútil para viagens internacionais, mas até que pode ter algumas vantagens específicas. Em outra postagem, leitores comentaram que conseguem resgatar passagem no voo da Azul para a Flórida por 50k ida e volta na econômica e 62k para Lisboa. E por 75k voo ida e volta para SFO pelo Viajanet. Talvez não seja assim tão ruim.

      • Albino

        Olha um exemplo: AMS-CDG para voar Air France

        R$ 270,24 no site da Air France
        7.450 pontos + R$ 79,26 de taxas pela Livelo
        8.992 milhas + R$ 79,26 de taxas pelo TudoAzul
        15.000 milhas + R$ 91,55 de taxas pelo Smiles

        • Carlos

          Legal, fica claro que, das opções de emissões pagas com pontos, o Viajanet do Tudo Azul é a melhor opção. E uma boa opção também para desovar pontos no Tudo Azul se não conseguir gastar em emissões nacionais.
          Olhando pelo lado do custo, milhas a R$ 35 no Livelo e transferindo com bônus de 80%, a passagem sairia a ~R$ 254. 10% de economia (ou mais se a opção de compra da passagem for em moeda estrangeira). Pelo menos um lado em que o Tudo Azul se encontra na frente dos concorrentes.

          • Albino

            Exatamente. Minha ideia também é essa.

  • Pingback: [Guest post] Estatísticas dos cartões de crédito: dados e curiosidades | Meu Milhão de Milhas()

  • Pingback: [Guest post] Problemas de disponibilidades para emissão de bilhetes-prêmio: analisando as 5 incongruências e os 6 (possíveis) motivos dessas inconsistências | Meu Milhão de Milhas()

  • Pingback: [Guest post] Dicas e estratégias para planejar uma viagem em família à Ásia, na classe executiva (quatro assentos)! | Meu Milhão de Milhas()

  • Pingback: [Guest post] Como a Multiplus Fidelidade está destruindo valor aos seus acionistas e clientes – em 5 passos | Meu Milhão de Milhas()

0 Flares Twitter 0 Facebook 0 Google+ 0 0 Flares ×