LATAM Fidelidade criando restrições indevidas nos resgates de pontos em cias. aéreas parceiras da OneWorld – caso Qatar Airways

0 Flares Twitter 0 Facebook 0 Google+ 0 0 Flares ×

Qual é a maior vantagem dos programas brasileiros de milhagens sobre os programas estrangeiros? É a facilidade do acúmulo de pontos.

E a principal desvantagem? É a falta de respeito com os clientes.

Falamos um pouco disso na história vivida pelo leitor Raphael em relação ao Tudo Azul.

Multiplus

Agora, iremos expor a experiência vivida pelo leitor Daniel em relação ao Multiplus Fidelidade:

“Caro Guilherme,

Vou relatar um caso a respeito da transferência de pontos para o Multiplus Fidelidade, pois vários clientes acabam transferindo pontos sem saber das “armadilhas” criadas pelas cias…

Então, abaixo apresento o que se deve sobre a LATAM NÃO EMITIR EM ALGUNS TRECHOS.

Na data de 30/12/16 às 13:50hs., procedi um contato com a LATAM, visando a emitir um trecho DOH-SYD em Primeira Classe com o parceiro ONEWORLD Qatar.

A funcionária TAMIRES SILVA identificou disponibilidade no dia 10/11/17, e pedi que tarifasse.

E eis que ela alegou erro. Como há meses tento consultar trechos Qatar via Multiplus e sempre há “erro” quando da tarifação, solicitei explicações.

Em resposta, após suposta consulta a “supervisor”, fui surpreendido com a informação de que a LATAM/MULTIPLUS “NÃO TEM TARIFA PARA ESTE TRECHO”.

De pronto, argumentei que há uma tabela LATAM/MULTIPLUS indicando o valor de 120 mil pontos para emissão, ou seja, inexiste qualquer informação de ausência de possibilidade para tal emissão.

Em resposta, ouvi, sobre tal trecho em primeira classe (o voo em é um A380 e a funcionária inicialmente achou a disponibilidade): “A GENTE NÃO VENDE ELE”.

Ou seja, a LATAM/MULTIPLUS possui RESTRIÇÕES DE EMISSÕES QUE NÃO DIVULGA EM SEU SITE.

Uniu-se à aliança ONEWORLD e criou proibições de emissões sem qualquer aviso ou informação no site”.

Conclusão

É absolutamente lamentável essa postura do Multiplus Fidelidade. A resposta evasiva chega a ser ridícula, além de não convencer ninguém, muito menos os leitores experts em milhas e pontos, os quais, é claro, utilizam também os programas de milhagens estrangeiros, e sabem que, nesses últimos, a regra que costuma operar é a regra inversa: a de respeito ao cliente.

Definitivamente, não dá pra concentrar todos os pontos que você acumula nos programas brasileiros de milhagens.

Opte sempre por adotar a estratégia da diversificação inteligente: escolha um programa de milhagens estrangeiro para creditar os pontos de voos pagos em dinheiro e os suados pontos adquiridos com cartões de crédito – esses são seus pontos mais valiosos, os quais devem ser cuidadosamente utilizados para resgates.

Já que os programas de milhagens estrangeiros são mais difíceis para acumular pontos, é natural que você procure maximizar o abastecimento deles com as fontes citadas acima (voos e cartões de crédito), e deixe as sobras da estratégia de acúmulo para os programas brasileiros, consistente na compra de pontos e milhas a preços razoáveis.

Agradecemos ao leitor Daniel pelo envio do alerta!

  • Diego

    Passei por isso também ao tentar verificar disponibilidade de assentos na Executiva, em voos da Qatar, usando pontos do Fidelidade . Embora encontrasse assentos disponíveis, na hora de tarifar acontecia o mesmo relatado acima. Isso já faz uns 6 meses. Fiz pelo menos umas 5 tentativas. Parece que o problema persiste.

    • Guilherme

      Tem sido cada vez mais difícil usar o Multiplus pra emissão na OW… 🙁

  • TRL

    Ninguém era obrigado a entrar em aliança aérea: mas no momento que se une, traz pra si a obrigação de lidar com o compartilhamento de inventário de lugares com milhas. A LATÃO quer simplesmente o melhor dos dois mundos para si…

  • Daniel

    Prezados,

    Desde já agradecendo pela transmissão do problema a todos, contribuo com mais uma peculiaridade…

    Quando de busca cotar EUROPA-DOHA (ou o contrário, pois não me lembro do que pedi a ligar) em FIRST, eis que não só há disponibilidade COMO TARIFAM!!!

    Ou seja, a aparente restrição quanto à Qatar é apenas em rotas ESPECÍFICAS…

    • Diego

      Saindo um pouco do caso Qatar, há 6 meses , quando me deparei com os problemas de tarifação já citados , verifiquei um outro problema: a indisponibilidade de voos com a Swiss. Ainda que não seja da OW a Swiss aparece como parceira no site. Entretanto, era impossível achar trechos voando com ela, mesmo quando havia disponíbilidade buscando no site da ANA ou United. Alguns atendentes confirmaram essa dificuldade. Abri reclamação formal e a resposta da TAM foi: ” a disponibilidade da tarifa para emissão com pontos é de responsabilidade da empresa congênere.” Deixei claro que parecia haver algo errado, pois não havia nenhuma disponibilidade em nenhuma data, mas mesmo assim a resposta foi mantida. Não sei se houve melhora nesse tempo, mas se não, temos mais um problema com emissões usando pontos Multiplus.

      • Rafael mesquita

        Eles também não respeitam membros elite da aliança oneworld.
        Eles não deixam
        Marcar assento conforto sendo oneworld saphire

        Em Bariloche, quase fui barrado fila de preferencial com o cartão físico do aadvantage platinum

    • Guilherme

      Grato pelos esclarecimentos adicionais, Daniel!

  • José Neto

    Isso acontece com a parceira South African também. Apesar de não ser OW, ainda é parceira da Latam.
    Na tentativa de cotar passagens para Seycheles eles nunca acham disponibilidade pela SA. Para Johanesburgo também nunca há vagas pelo Latam Fidelidade.
    Um amigo meu chegou ao ponto de emitir ida e volta para Johanesburgo por 190k o casal em econômica numa época em que a tabela era 25k o trecho. Isso foi antes da Latam lançar o voo para a África. Ele só conseguiu depois de abrir uns chamados e reclamar muito.
    Enfim, casos de desrepeito têm aos montes.

  • Daniel

    ATUALIZANDO…

    Resposta recebida da LATAM, após reclamação no site do Ministério da Justiça, consumidor.gov.br:

    “Recebemos suas considerações sobre impossibilidade de tarifação com pontos em voos da empresa Qatar Airlines.
    Após apuração identificamos uma falha no processo de busca atual utilizado por alguns analistas.
    A fim de que não encontre mais esse problema, enviamos uma orientação geral reforçando o procedimento correto. Ressaltamos que não há bloqueio de tarifação, embora a disponibilidade com pontos seja limitada como em todas as parceiras.
    Sendo assim, sugerimos que refaça sua consulta junto a equipe envolvida.
    Lamentamos o inconveniente e caso tenha algum problema, sugerimos citar a comunicação recebida pelo Fale com a Gente, mencionando protocolo e consulta a supervisão de atendimento LATAM.”

    Diante da resposta, vários atendentes estaria, realizando a pesquisa de forma equivocada e, a este tempo, teria sanado tal falha???

    Com estou em viagem ao exterior (não pela LATAM, é claro… em verdade, via business Aeroméxico no novo 787 – fui a SCL para tanto-, a qual recomendo enquanto aeronave, mas o serviço de tal cia é bem fraco), não tentarei por ora…

    Mas se algum aventureiro tentar, fique à vontade.

    • Peres

      Daniel, você conseguiu emitir o trecho Sydney-Doha em First com a Qatar , usando os pontos Multiplus? Também gostaria de emitir e liguei agora e eles nao conseguem tarifar! Nem Doha Sydney nem Sydney Doha. 🙁
      Muito obg

  • Daniel

    Apenas corrigindo falhas de digitação: “vários atendentes estariam realizando”…

    Em tempo: peculiar que, caso haja algum problema, fui orientado a citar o protocolo de uma reclamação no site do Ministério da Justiça… POR QUE??????

  • Cristiano Andrade

    E vai vendo… por essas e por outras que abondonei a LATAM faz tempo. Pensando aqui:
    – Conforto nos vôos domésticos – Tem o pior espaço entre as 4 nacionais (Avianca 32″/ Azul 31″/ Gol 31″ / Latam 30″), o sistema de entretenimento de bordo é bom (mas não esqueça seu tablet e fone de ouvido) e similar a Gol, enquanto a Azul possui TV ao vivo e a Avianca possui telas individuais. Fico com a Azul. O serviço de bordo é ruim, o lanche nem conta (os lanches da Avianca são melhores e os snacks da Azul são minha primeira opção)
    – Programa de Fidelidade: aqui entre a questão de acúmulo e, também resgate. A Azul tem a pior relação de acúmulo e resgate, mas não te engana e possui algumas opções de resgate específicos que podem ser interessantes (por exemplo a rota direta VCP-MCO). Avianca é a melhor opção se você vai juntar pontos em vôos domésticos e resgatar passagens domésticas apenas (para tabela de parceiros tem algumas boa opção de resgate, mas o acúmulo é terrível). Gol/Smiles tem ótimas opções de resgate de parceiras com as promoções que me faz até pensar em mudar para lá. Latam em tese tem boa relação de acúmulo e resgate (nas tarifas promo quando disponíveis) e a falsa sensação de disponibilidade das parceiras, o que por si só é péssimo.
    – Call Center: tenho péssimas experiências da Latam (uma em aberto ainda já faz 60 dias, até agora não consegui reembolso de um vôo Toronto-NY em Business que eles me alteraram para Coach na AA depois de cancelarem a rota) e boas referências da Azul onde sempre tive tudo resolvido (nas outras não sei).
    Em vôos internacionais vou me manter com a AA (apesar de todas as mudanças) pelo conforto e opções das rotas BR-US que uso com frequência, mas em domésticos comecei a pensar se vale mudar da Azul para a Gol (faziam 2 anos que voava Gol e tive uma experiência boa em dezembro que me fez quebrar o preconceito) em especial devido ao Smiles.
    Quando a Latam irá melhorar? Não sei, sinceramente fico na torcida para perderem mercado e devolverem slots (para que sejam redistribuídos para Avianca e Azul).

    • Daniel

      Prezado Cristiano,

      Bem pertinentes suas ponderações…

      Mas acho que estou numa fase de, em 2017, não mais me preocupar em conseguir milhas, em face da degradação dos programas e optar por comprar milhas…

      Senão, vejamos: em 2016, gastei R$ 10.400 em compras de milhas… muito??? Sim… mas veja o resultado: ida e volta Aeroméxico business, passando por SCL para voar 787; business PARIS-DOHA no A380 e, após conexão, business DOHA-SEYCHELLES em um 787; business SEYCHELLES-ALEMANHA, voando 787 Qatar e A350 Qatar; FIRST Qatar A380 PARIS-DOHA, conexão em Doha e Business Doha-Gru…

      Enfim, foi um valor considerável mas a recompensa foi bem interessante… viajando apenas em excelentes voos, aeronaves e cias (tirando o serviço Aeroméxico). É de se ponderar se não vale mais à pena a compra (EM PROMOÇÕES) do que buscar uma cia X ou Y.

      Por fim, para mim, a GOL era a pior de todas… MAS estou assistindo a alguns sintomas interessantes: as salas VIPS domésticas (melhores até do que as Centurioum) e uma situação recente que vivenciei… voei GIG-CGH. Assento quebrado sem reclinar. Tripulação ao ser informada ignorou (disse que não poderia fazer nada). Meti reclamação no site do Ministério da Justiça citado. 10 dias depois, um e-mail de desculpas e um crédito de 150 reais em minha conta GOL. Achei IMPRESSIONANTE a postura da empresa (duvido que a LATAM agiria de tal forma)… SERÁ INDÍCIO DE ALGUMA MELHORA???

    • Guilherme

      Ótima análise, Cristiano!

      Daniel, eu também tenho pensado nessa direção: compra direta de milhas com desconto, em vez de lutar pra conseguir status elite.

      Sobre as melhorias da Gol/Smiles, eu também tenho notado essa evolução.

  • FABIO REGATIERI SILVEIRA

    Olá, o multiplus tem uma tarifa de 110 mil pontos para voos exclusivos por parceiras em classe executiva por trecho pra asia, acho muito boa, acontece que ja liguei diversas vezes e sempre cai na hora da emissão, agora mesmo estou a 90 minutos com eles pra emitir e qdo chega na ultima etapa os atendentes nao conseguem, agora peguei um que esta se esforçando, os outros por magica sempre caia a ligação, mas alguma coisa que ele não sabe da errado.
    De verdade, minha experiencia com o smiles não foi muito melhor, peguei uma tarifa excelente no black friday, não emitiram as passagens, deu erro, cobraram as milhas e pra recupera-las foi um parto, usei o 0300, que tomem cuidado é pago e cobrado uma fortuna, gastei 150 reais pra resolver, neste ponto o atendimento da united e aa é muito, muito melhor. Infelizmente os programas nacionais sempre tentar enganar o consumidor.

  • Felipe

    Daniel.
    Você comprou as milhas em qual(is) programas?
    Fiquei curioso sobre a emissão para Sheychelles.
    Desde já agradeço a atenção.
    Felipe

    • Daniel

      Vamos lá:

      Milhas para voar business Europa-Seychelles e retorno à Europa, tudo voando Qatar: comprei todas nas promoções “Compre 01 leve 03” do Smiles.

      Já a volta, fiz de forma diversa. Comprei a First Qatar via LATAM por 65k naquela promoção que teve ano passado que a milha saia mais barato que Km de Vantagens (salvo engano, desconto de 60%).

      Já a perna DOHA-GRU, mais uma vez Smiles.

      Alguns dados importantes que contribuíram para tal:

      (a) meus pais abriram conta Smiles naquelas promoções de Smiles 5.000 com bônus ao dobro nos 3 primeiros meses, sendo parte das milhas compradas através destas contas (tudo feito com meu cartão de crédito);

      (b) a promoção compre 1 leve 3 desapareceu… em compensação, tivemos algumas melhores no final do ano passado para quem usava Livelo (saiu a 0,02). Como não tenho conta BB ou Bradesco, dancei…

      (c) a ida para a Europa estou fazendo de forma autônoma, fora deste cálculo.

      Agora, estou planejando outra viagem TOP, mas já para 2018…

  • Caio

    Passei o mesmo problema com o multiplus, tentando resgatar executiva GRU SEY GRU para abril 2017.

    Liguei várias vezes e fui duas vezes à loja da Latam. Nunca encontrei disponibilidade, em qualquer data, nem executiva nem econômica.

    Por isso, propus ação judicial visando ressarcimento material e moral, em virtude da propaganda enganosa.

    Dia 15/2/17 será a audiência. Teremos novidades em breve. Poderíamos criar um grupo de prejudicados para reivindicarmos nossos direitos.

    Alguém concorda?

    • Guilherme

      Sucesso pra sua audiência, Caio!

      Realmente, a LATAM é vergonhosa no quesito disponibilidade com parceiras na OW.

  • Daniel

    O pessoal fala para pesquisar disponibilidade no site da BA antes de ligar na TAM. É realmente a melhor opção? Trecho a trecho como devo pesquisar? Tipo indo passando por Santiago já entendi. Mas e para ir pelo lado da Europa ou Africa? Qual companhia e trechos devo pesquisar para depois comprar na TAM?

  • Pedro

    Pessoal,
    Liguei agora para a LATAM e acharam trecho com a Qatar para Doha em Business e estão cobrando 210mil pontos Multiplus!
    Segundo a tabela, o custo do Brasil para Oriente Médio é 100mil pontos.
    Sério, o que está acontecendo?!
    Alguém já passou por isso? Eles não deveriam respeitar a tabela?

  • Gilberto De Melo Junior

    Eu sei que faz um tempo que esse post foi feito, mas é bem conhecido no mundo dos viajantes com milhas que nas 3 maiores alianças aéreas, é impossível você conseguir um assento de primeira classe com pontos de uma cia aérea parceira. A maioria das cias aéreas disponibilizam assentos de primeira classe em
    seus vôos somente para membros de seus próprios programas. Existem exceções, mas não é o caso da Qatar, nem da Emirates, Etihad, etc… Sim, house um erro no caso da Latam em não saber informar isso ao cliente imediatamente, mas não justifica uma grande indignação porque já é um caso bem conhecido pra quem tenta maximizar o uso de milhas.

    • Carlos

      Gilberto, discordo do seu apontamento. Na Skyteam, conseguir primeira classe da Korean, Garuda ou Air France, só nos respectivos programas, mas China Southern, Saudia, China Airlines não. A principal dificuldade na Skyteam é conseguir encontrar um programa e companhias que permitam essas emissões (o da Korean seria o melhor exemplo).
      Na Oneworld, pode ser difícil encontrar assentos nas primeiras classes da Cathay, JAL, AA, British, Qatar, Malaysia ou Qantas, mas a dificuldade é para todos os membros, não é comum liberarem assentos somente para os respectivos programas.
      Na Star Alliance, Thai, ANA, Asiana, Air China, Air India e United liberam os assentos para todos os parceiros. As exceções são Singapore e Swiss, que nunca liberam a primeira classe (no caso da Singapore, não liberam nem executiva em vôos de longa distância) e a Lufthansa, que só libera com 14 dias de antecedência.
      Finalmente, a Emirates libera normalmente a primeira classe para a Alaska Air e a Etihad, também, para a AA.
      Normalmente, a principal diferença é que, nos programas próprios das empresas, além dos assentos “saver” que são compartilhados com os demais parceiros, há a possibilidade de conseguir assentos pagando-se mais caro em tabelas “standard”.
      Não acho que seja impossível conseguir um assento de primeira classe com pontos de uma companhia aérea parceira nem que a maioria disponibilize seus assentos somente para seus próprios programas (na verdade, é uma minoria). Acho que é caso de indignação mesmo, expressada aqui no MMdM, quando damos a “sorte” de encontrarmos os assentos que queremos e a empresa inventar regras para justificar a impossibilidade de gastar os pontos acumulados no programa, de acordo com as regras e tabelas escritas e divulgadas.

0 Flares Twitter 0 Facebook 0 Google+ 0 0 Flares ×