2016: o ano em que as promoções de compras de pontos tomaram definitivamente o lugar do Pague Contas

0 Flares Twitter 0 Facebook 0 Google+ 0 0 Flares ×

Existem duas formas clássicas de acumular pontos nos programas de milhagens aéreas: (1) comprando as passagens em dinheiro e (2) utilizando os cartões de crédito associados aos programas de milhagens.

No caso (1) as compras de passagens em dinheiro podem render mais ou menos milhas/pontos dependendo do tipo de tarifa, tipo de cabine e status elite no programa de milhagens.

Já no caso (2) os pontos acumulados nos cartões de crédito dependem basicamente do fator de conversão e do dólar utilizado na cotação.

Porém, ao longo dos últimos anos, essas duas formas clássicas de acumular pontos têm perdido cada vez mais a relevância. No caso (1), é notório que as empresas estão substituindo o modelo de milhas acumuladas pela distância pelo modelo baseado unicamente em dinheiro. Exemplo claro dessa tática é o conjunto de mudanças implementado pelo AAdvantage.

Já no caso (2), a maior dificuldade nos últimos anos foi aquela criada pela valorização do dólar, que chegou a valer mais de R$ 4 entre o final de 2015 e o começo de 2016.

Como forma de acelerar o acúmulo de pontos nos cartões de crédito, muitos bancos ofereciam o serviço de Pague Contas, o que de fato apresentava uma boa relação custo vs. benefício.

Porém, com o aumento dos custos – tarifas e tributos – no Pague Contas, associado à crescente cotação do dólar, ficou completamente inviável o uso desse instrumento alternativo para acumular milhas e pontos. Nos dias atuais, no cartão Santander Black, por exemplo, que pontua 1,1 ponto por dólar no Pague Contas, um bloco de 10 mil pontos chega a custar por volta de R$ 500.

Paralelamente ao declínio do Pague Contas, e às dificuldades no acúmulo de milhas e pontos pelo uso dos cartões de crédito e voos pagos em dinheiro, assistimos à consolidação, no ano de 2016, das promoções de compras de milhas e pontos como alternativa mais viável, sob o ângulo do custo/benefício, para acelerar o acúmulo de pontos.

Nesse ano, vimos o Smiles baixar o custo unitário de compra de pontos, nas suas melhores promoções, de R$ 0,028 por milha, para R$ 0,02, uma significativa diminuição. Nessas promoções, cada bloco de 10 mil milhas saía por R$ 200, bem mais em conta que a melhor alternativa do Pague Contas (Santander Black Unlimited), que cobra cerca de R$ 500 pelo mesmo bloco de 10 mil pontos (ou bônus, na linguagem do banco).

O Multiplus Fidelidade também fez constantes promoções de compras de pontos praticando seu piso clássico de R$ 0,028 por ponto.

Quem perdeu a oportunidade de fazer coisa melhor nesse terreno foi o KM de Vantagens, cujo custo da compra de pontos Multiplus, via transferência de KMs, subiu para R$ 0,03.

As melhores promoções de compras de milhas e pontos do ano de 2016: compra de pontos Livelo com desconto de 50%, associado a transferências para o Smiles e Tudo Azul com bônus de 100%

Mas as melhores oportunidades de compras de pontos apareceram com o Livelo, um programa de recompensas que surgiu doido pra abocanhar uma fatia desse mercado.

livelo-tudo-azul

Em suas melhores promoções de compras de pontos, o Livelo estava vendendo cada ponto por R$ 0,035. Visto isoladamente, é um valor ruim, porém, usado em conjunto com as promoções dos programas de milhagens (haja vista que o Livelo também transfere para os programas de milhagens), foi o que de melhor aconteceu nesse ano.

Isso porque, simultaneamente a essa promoção do Livelo, surgiram promoções de transferência de pontos com bônus de 100% para o Smiles e Tudo Azul.

Isso significava, no final das contas, comprar pontos Tudo Azul e milhas Smiles por R$ 0,0175 a unidade, ou R$ 175 cada bloco de 10 mil pontos/milhas.

Mas isso não é tudo.

Houve uma oportunidade incrível de comprar pontos Tudo Azul por R$ 0,01435, numa dica relatada pelo Chief Albino. Sem dúvida, essa foi a melhor dica do ano de 2016: compras de lotes de 10 mil pontos Tudo Azul por R$ 143,50.

E vale lembrar que o Livelo ainda é parceiro do Victoria TAP, de modo que se espera, para 2016, uma oportunidade de bônus de transferência de 100% do Livelo para o Victoria TAP, o que permitiria a compra de cada milha Victoria TAP por R$ 0,0175. Uma tremenda barganha em tempos bicudos de moeda brasileira desvalorizada.

Conclusão

A chegada com força do Livelo no comércio das milhas e pontos suscita algumas reflexões interessantes, sendo a mais curiosa delas a seguinte: quem quiser, já não precisa mais sequer usar o cartão de crédito para o acúmulo de milhas e pontos, uma vez que os próprios programas de recompensas de cartões de crédito estão começando a oferecer promoções de compras de pontos.

O que esperar de 2017: a minha previsão é de que mais programas de recompensas de cartões de crédito comecem a comercializar os pontos, assim como está fazendo o Livelo. Itaú Sempre Presente, Programa de Pontos Caixa e Superbônus Santander são os candidatos naturais a entrar nesse filão de mercado.

Quanto ao Multiplus, seria necessário avaliar os impactos que os programas concorrentes estão tendo em seus balanços trimestrais, mas eu não acredito que eles façam promoções de compras de pontos em valores inferiores a R$ 0,028, que vem sendo o praticado por eles em seus melhores dias.

Em relação ao Smiles, eu continuo apostando nas promoções de vendas de milhas a 2 centavos, com chances de venderem por abaixo desse valor em algum momento do ano que vem, se a concorrência estiver enxugando muito os lucros dessa empresa.

Sobre o Tudo Azul e o Amigo Avianca, não creio que eles tragam alguma novidade nesse mercado. Particularmente em relação ao Amigo Avianca, não acredito que eles entrem nesse comércio de pontos.

E os Clubes, hein!? O que esperar deles? Também não espero nada muito atrativo para esses Clubes, senão a repetição das promoções que ocorreram durante esse ano. Surpresa seria se o Clube Multiplus fizesse alguma coisa diferente, alguma promoção inovadora, pois até agora ele não mostrou a que veio.

Um fato é inconteste: quem aproveitou as sucessivas promoções de compras de pontos que ocorreram particularmente no mês de novembro desse ano, entrará em 2017 (agradeço ao José Filho pelo envio da dica!) carregando um belo estoque de milhas e pontos, com uma boa relação custo/benefício.

E vocês, aproveitaram alguma promoção de compra de pontos nesse ano de 2016?

  • Daniel

    Caro Guilherme,

    Vou relatar um caso a respeito da transferência de pontos para o Multiplus Fidelidade, pois vários clientes acabam transferindo pontos sem saber das “armadilhas” criadas pelas cias…

    Então, abaixo apresento o que se deve sobre a LATAM NÃO EMITIR EM ALGUNS TRECHOS.

    Na data de 30/12/16 às 13:50hs., procedi a contato com a LATAM, visando a emitir um trecho DOH-SYD em Primeira Classe com o parceiro ONEWORLD Qatar.

    Ao a funcionária TAMIRES SILVA identificar disponibilidade no dia 10/11/17, pedi que tarifasse.

    E eis que ela alegou erro. Como há meses tento consultar trechos Qatar via Multiplus e sempre há “erro” quando da tarifação, solicitei explicações.

    Em resposta, após suposta consulta a “supervisor”, fui surpreendido com a informação de que a LATAM/MULTIPLUS “NÃO TEM TARIFA PARA ESTE TRECHO”.

    De pronto, argumentei que há uma tabela LATAM/MÚLTIPLOS indicando o valor de 120k para emissão, ou seja, inexiste qualquer informação de ausência de possibilidade para tal emissão.

    Em resposta, ouvi, sobre tal trecho em primeira classe (o voo em é um A380 e a funcionária inicialmente achou a disponibilidade): “A GENTE NÃO VENDE ELE”.

    Ou seja, a LATAM/MULTIPLUS possui RESTRIÇÕES DE EMISSÕES QUE NÃO DIVULGA EM SEU SITE.

    Uniu-se à aliança ONEWORLD e criou proibições de emissões sem qualquer aviso ou informação no site.

    • Guilherme

      Daniel, realmente é lamentável essa postura da LATAM/Multiplus. Aliás, é a LATAM sendo a LATAM: não honrando sequer sua própria tabela de resgates.

      O argumento da LATAM, de que “a gente não vende ele” (DOH-SYD) chega a ser patético.

      É por essas e outras que eu fujo da LATAM na hora de transferir os pontos de cartões de crédito ou creditar as milhas de voos pagos em dinheiro. Péssima companhia. Péssimos serviços. Péssimo suporte ao cliente.

  • José Filho

    Olá, primeiramente, parabéns pelo belo ano do meumilhaodemilhas. Sempre acompanha e aproveito várias dicas! Obrigado! Segundo, favor corrigir o texto na conclusão, onde deveria constar: entrará em 2017 carregando… Que 2017 seja um ano de oportunidades no mundo das milhas para todos nós. Abraços e até breve.

    • Guilherme

      Valeu, José, que bom que esteja aproveitando as nossas dicas!!!!!!

      E realmente, que 2017 venha repleto de oportunidades no mundo das milhas e pontos!

      Abraços!

  • Pingback: Com 30 mil pontos transferidos para o Smiles, você pode comprar 60 mil milhas por R$ 1.200. E, se for cliente Livelo, ganha mais 50% de bônus | Meu Milhão de Milhas()

0 Flares Twitter 0 Facebook 0 Google+ 0 0 Flares ×