[Guest post] Reflexões: sobre a necessidade de nos adaptarmos aos tempos de crise

0 Flares Twitter 0 Facebook 0 Google+ 0 0 Flares ×

O post Dólar volta a bater novo recorde (R$ 4,166) e vai encarecer ainda mais as viagens dos brasileiros ao exterior  gerou interessantes debates na caixa de comentários, e a mensagem do leitor SwineOne foi tão ao encontro daquilo que penso, que resolvi transformá-lo em post. Confiram:

“O país se encontra certificadamente na pior situação dos últimos 25-30 anos, e é possível argumentar que, dado o progresso institucional do governo FHC, o estrago que o PT é coisa para entrar na história econômica mundial. O dólar comercial caminha para os R$ 5 e acima, o que é um valor errado sim, mas errado para cima. Se houvesse responsabilidade fiscal, não haveria bom motivo para o dólar estar nem mesmo a R$ 4, embora as taxas próximas a R$ 1,50 que chegamos a ver há uns 4-5 anos atrás também estavam distorcidas.

Mas temos tudo para eleger uma administração minimamente responsável daqui a 3 anos e a tendência do dólar é voltar a patamares razoáveis (pessoalmente acredito em algo como R$ 2-3, provavelmente mais próximo do teto do que do piso), possivelmente logo após a eleição, pois o valor do dólar hoje tem sim um componente relacionado às expectativas de piora da economia sob a administração do PT, algo que vai se dissipar mediante a eleição de alguém que pregue um ajuste na economia.

Então, o momento é sim de “se privar de coisas que gostamos”, e por dois motivos.

Primeiro, porque ninguém, absolutamente ninguém no país hoje tem emprego e renda garantidos (mesmo se você for funcionário público, vide o caso do RS que ainda não pagou o décimo-terceiro do ano passado até onde eu sei, e com a deterioração do país, casos como esses serão a cada dia mais frequentes).

Segundo, porque mesmo que tivesse, é preciso saber dar valor ao dinheiro. Se está caro viajar pro exterior, e se você não quer deixar de viajar, então que tal conhecer o Brasil? Até me dói dizer isso na medida em que movimenta a economia brasileira, e no momento sou adepto do “quanto pior melhor” (o Brasil precisa de um choque para enterrar o PT), mas temos excelentes lugares aqui para conhecer.

Também, será que a única coisa que dá prazer na vida é viajar? Por exemplo, estou pensando em pegar o dinheiro que usaria pra viajar neste ano e investir num curso de culinária, que também é uma paixão minha, diria que até maior do que viajar, e inclusive é algo que pode me trazer uma economia futura com saídas para restaurante, que hoje abocanham uma parte maior do meu orçamento do que seria prudente.

Ou então, uma outra excelente sugestão: que tal só apertar os cintos, poupar dinheiro, aproveitar o momento de juros altíssimos (NTN-Bs de longo prazo pagando IPCA + quase 8%) e adiantar a sua independência financeira e aposentadoria? Como bônus, você não vai precisar arrancar os cabelos se entrar na estatística do desemprego ou dos funcionários públicos sem pagamento”.

Conclusão

Dinheiro

Não adianta bancar o teimoso, e querer gastar adoidado no exterior com o dólar nesse patamar exagerado. Não nos iludamos: nosso dinheiro, nossa moeda, nunca valeu tão pouco no exterior, e, por mais que economizemos no exterior, ainda assim a conta vai ficar bem salgada.

Exceto se você já tiver comprado os principais itens que encarecem uma viagem ao exterior, tais como passagens aéreas e principalmente hospedagem (como o leitor Albino relatou recentemente), é de se pensar várias vezes se não vale mais a pena economizar dinheiro e investir em outra coisa.

Afinal de contas, como bem disse o Swine, viajar não é a única coisa que dá prazer na vida. 😉

Tagged as:

16 Comments

  1. Marcelo 28/01/2016 at 12:41 #

    Inegavelmente, excelente texto…

    Mas fica a dúvida: então o site que se trata de viagens, em especial ao exterior, tratará de que?

    Há pessoas que estão dispostas sim a torrar o que junta para gastar lá fora, pois viajar aqui é experimentar o exemplo de não saber cativar o turista para seu retorno… Aqui impera a cultura do “arrancar o máximo do turista”, salvo exceções. Exemplo simples: pacotes para Porto Seguro (“novo” destino de vários que estavam indo pra Miami) dispararam de preços no último ano, ou seja, já que o povo voltou a viajar para lá, aproveitam para aumentar em mais de 200% o preço de pacotes.

    Não dá. Pra fazer papel de otário, não pago.

    Assim, junto e gasto lá fora.

    Tá caro? Sim… Em demasiado.

    Mas diminui a quantidade de viagens e ainda assim opto por outro canto longe daqui.

    Por aqui, ao viajar, se não sofrer um golpe, posso sofrer com a violência, ou com alguma doença tipicamente piorada após aportar em solo brasileiro…

    Antes que algum entusiasta diga que violência tem em todo lugar, o problema é a incidência, vez que falo do país que possui 21 das 50 cidades mais violentas do mundo: http://g1.globo.com/mundo/noticia/2016/01/brasil-tem-21-cidades-em-ranking-das-50-mais-violentas-do-mundo.html

    • Guilherme 28/01/2016 at 16:38 #

      Olá Marcelo,

      Verdade. E não é somente os preços dos pacotes em território nacional que encareceram. Basta ver a quantidade absurda de milhas que são exigidas em certos trechos nacionais, para perceber que a “inflação” é generalizada.

      Abraços!

      • Cristiano Andrade 28/01/2016 at 17:54 #

        Guilherme,
        Desculpe o meu comentário, eu tinha a noção que escreveria algo e que alguém iria “retrucar” sem ler o que escrevi. Foi uma imbecilidade minha porque simplesmente achei que o texto era fora do propósito do seu blog.
        É um blog de milhas e pontos para viajarbe realizar sonhos. Acho que há uma troca bacana nisso.
        Mas aí acredito que o erro que você cometeu foi fomentar uma discussão que foge o objetivo do seu blog.
        Eu vou me abster de retrucar uma série (sim, série) de pontos do seu colega que não entende que o mundo não é binário. Cansei disso, na verdade é essa visão binária e de “torcida” pelo pior que me enoja no país. Cada dia mais penso em ir embora para ficar bem longe de gente que pensa de forma binária e contra a sociedade como um todo…
        Enfim, como leitor, quero ficar aqui no blog com a diversão. Para discutir política/economia vou a outros fóruns onde o nível de conhecimento dos participantes permita um papo diferente desse Fla-Flu tosco.
        E vou continuar sim curtindo muitas coisas, com moderação, sem correr riscos financeiros e com muitas milhas.

    • SwineOne 28/01/2016 at 16:56 #

      Para deixar claro, não sou contra as viagens em si. Inclusive, tem gente que por algum motivo PRECISA viajar (trabalho, família, etc.) e as dicas do Guilherme são muito valiosas.

      O que me faz o sangue subir à cabeça são comentários como aquele que eu respondi e deu origem ao texto deste post, contendo pérolas como “Existe um certo exagero e terrorismo midiático que não devemos deixar que nos contamine.” ou, o pior de todos, “Não deixar de viajar, se privar de coisas que gostamos.” Depois a pessoa fica trabalhando literalmente até morrer (p.ex. ter um ataque cardíaco fulminante no trabalho) e não sabe por que é praticamente proibida de se aposentar, pois de outra forma entraria em uma ruína financeira. Ora, quem não se priva, especialmente no momento em que as coisas estão caras, vai ser escravo do trabalho pelo resto da vida. E olha que nem falei em gente que joga dinheiro fora pagando 15% de juros ao mês para cheque especial ou cartão de crédito.

  2. Cristiano Andrade 28/01/2016 at 13:19 #

    Oi Guilherme,
    Até entendo o seu objetivo no sentido de adequar os sonhos as possibilidades.
    Mas como já aprendi nas redes sociais e em tantos outras discussões nos últimos 2/3 anos, a perda da objetividade é decepcionante dentro do universo de pessoas de renda mais alta e mais instruída a qual convivemos.
    Metade das palavras deste post parece mais um torcedor de futebol apaixonado do que uma análise minimamente equilibrada e menos racional. E quando falo coisas como essas costumo ser “taxado” de petista, o que só atesta que o discurso tem sido o de “FlaxFlu” quando existem muitas visões de mundo distintas, que vão muito além de SituaçãoXOposição.
    Sim, estamos num situação que só se deteriora. E quais as razões disso?
    – Ajuste externo nos preços de commodities – assim como surfamos na onda das commodities (e aqui tantos as minerais quanto agrícolas) sobrevalorizadas, agora sofremos efeitos das commodities sub-valorizadas, ou o Petróleo a preços deflacionados próximos a preços pré-primeiro choque do petróleo ou ferro e aço a 30% do valor de 5 anos atras, soja queda de 50% no valor etc etc não tem impacto???
    – 30 anos de desindustrialização – a última onda de industrialização no país se deu num momento em que as empresas ainda não pensavam em sourcing global, mas sim regional, e aí demos passos a frente dos vizinhos argentinos, colombianos, chilenos. Após isto a falta de investimento em infra-estrutura (anos de contingenciamento de investimento como forma de ajuste fiscal de 94 a 2004), o aumento da carga de impostos estrutural (que saiu de 18% em 89 para 35% em 2014, sendo aumentada em TODOS os governos desde então) e nos momentos de soluços de crescimento o dólar livre nos levou a sobre-valorização do real que tornava nossa indútria ainda menos competitiva
    – Sendo estudos econométricos (coo exemplo do Professor Bresser Pereira, quado histórico do PSDB), o sólar deveria estar na faixa entre 3,75 e 4,15 para igualar a taxa de 94, considerando inflação e ganhos de produtividade em Brasil e EUA. Um dos grandes erros foi deixar o dólar se valorizar durante o período de balança comercial favorável (processo levado a cabo no governo Lula até meados do governo Dilma)
    – Aumento de gastos estrutural do governo (gerando aumento da dívida pública e sua consequente dificuldade de rolagem), situação piorada por um Congresso que vota contra os interesses do país apenas para ser contrário ao governo.
    – Impasse político – qualquer que seja o cenário que destrave o nó político atual é melhor do que o que temos hoje. Seja a saída da presidente, seja a saída de Cunha da liderança na Câmara. Simplesmente agente econômico nenhum faz investimento nessse cenário. Inclusive porque nenhuma das medidas de ajuste importantes propostas em 2014 saiu do papel, seja ajuste da previdência, de custos trabalhistas ou de outros cortes de gastos, com o cenário de se aprovar aumento de gastos (na contramão da necessidade) como forma de chantagem ao executivo. Perdemos como país…
    “Quanto pior melhor” é a coisa mais estúpida que alguém pode dizer! É estúpido porque isso pode levar a aumentos de gastos estruturais que não se consertam com um novo governo. Aumentos de gastos da previdência, do funcionalismo, dos custos da saúde pública fazem parte do “quanto pior melhor”, e um novo governo, qualquer que seja, não poderá corrigir essa distorção! O seu colega swissone diz uma grande bobagem, apenas para suportar uma posição partidária (note que não é questão ideológica, é coisa de torcedor de futebol que odeia o rival). Ahh, se a coisa ficar mesmo muito ruim, a sugestão das NTNs pode ser uma furada, porque um ajuste da dívida pública pode ser necessário, e no atual quadro esse ajuste é interno (diferente de Funaro em 86 quando o Brasil carregava uma dívida externa que precisou de ajuste). leia-s ajuste como calote, você receber metade do que investiu…
    “acredito em dólar a 2-3” – quais as credenciais dele para dizer isso? citei o Bresser Pereira, mas há estudos do Bradesco e do Citi que tive acesso que falam em números muito próximos também (entre 3,5 e 4).
    Enfim, o razoável é dizer que você deve manter sua reserva para emergências no caso de uma queda de renda (desemprego, redução de lucros etc), controlar seus gastos, ter um planejamento bem feito.
    Eu vou manter diversas viagens que amo!
    Vou para Porto de Galinhas na semana santa (usando apenas milhas tanto para passagens quanto para hotel). tenho minha viagem de férias no segundo semestre agendada para a Europa (passagens com milhas, hotéis já pagos como forma de me proteger da desvalorização cambial) e irei comprar euros paulatinamente de acordo com minha necessidade. E viajarei para correr uma Maratona na Argentina, também usando milhas! Coisas que me dão prazer, com minha família e sem mexer nas minhas reservas financeiras, sem me endividar.
    E sim, torço para que o nó político seja desatado qualquer que seja o desfecho, mas que aconteça logo para que o país avance. Apenas fico triste quando vejo tanta gente torcendo contra o país (para dizer que quanto pior é melhor é a única forma de tirar fulano do poder!!! E quem entra? e Fará o que? qual a proposta? pode ser pior ou pode ser melhor! O país precisa de um projeto que desenvolva 3 ou 4 indústrias de ponta, de forma que compense o momento de baixa de commodities!).

    • Fernando 28/01/2016 at 14:40 #

      Obrigado Cristiano! Eu ia escrever basicamente o que você escreveu e você foi lá e escreveu antes. Parabéns pela análise. Economizou-me de escrever.

      Apenas, aduziria algumas coisas. Ninguém que viveu trabalhando na era FHC pode em hipótese alguma considerar que aquele governo foi responsável.

      a) O governo “responsável” de FHC levou a taxa de juros para 49% a.a, em outubro de 1998. Hoje estão falando que a taxa está altíssima, em 14.25%.
      b) O governo “responsável” de FHC levou o desemprego a 20% na capital paulista em 1999. Hoje o pessoal está chateado com a taxa 9%. É ruim porque está subindo, mas longe de ser um desastre. Além disso, as empresas depende de emprego e renda em alta para vender. Sem isso, as empresas quebram, como quebraram naquela época.
      c) O governo “responsável” de FHC aumentou a carga tributária de 19% do PIB para 35%, o maior aumento da estória.
      d) O governo “responsável” de FHC pedia empréstimos ao FMI recorrentemente; hoje somos credores do fundo.
      e) O governo “responsável” de FHC levou o dólar entre 3 e 4 reais por boa parte do 2o. mandato; em termos atualizados, isso significa 7 a 8 reais de hoje.

      É claro que ninguém está satisfeito com a situação atual. Mas não é verdade que passamos pelo pior momento em 20-30 anos. Não é fácil defender algumas maluquices que esse governo tem feito em muitos aspectos e, assim como o Cristiano, recorrentemente sou taxado de petista, porque as pessoas hoje em dia só sabem pensar de forma binária. Ou privatiza ou é comunista. Ou aceita aumentar os juros ou é petista. Ou é isso ou é aquilo. Mas na vida real, as coisas não são assim. É preciso aprender a pensar e não cometer os mesmos erros históricos. Nenhum outro governo que tomar posse vai fazer o dólar baixar, simplesmente, porque ninguém faria nada diferente do que a Dilma está fazendo hoje.

      O governo precisa resolver o impasse político. Se superado, precisa evitar com que o dólar volte a se valorizar. Não dá mais para ter uma moeda supervalorizada em um mundo em retração. Depois, precisa passar a investir mais em educação, produtividade e processos industriais. Mas tudo isso leva tempo, são investimentos de longa maturação.

      Sinceramente, quando eu vejo alguém pregando “o quanto pior melhor” para o país e ainda sendo endossado por pessoas “responsáveis”, dá vontade de desistir. Mas, no fundo, o nosso país tem que estar acima de tudo. Seja quem for o presidente da nação, sempre devemos ser o quanto melhor, melhor.

      • Guilherme 28/01/2016 at 16:37 #

        Oi Cristiano e Fernando,

        Realmente a situação não está fácil pra ninguém.

        Diante disso, devemos tentar nos adaptar a esse novo cenário, de acordo com as condições pessoais de cada um.

        Abraços!

      • SwineOne 28/01/2016 at 16:50 #

        Desculpe, mas você quer mesmo comparar o que precisou ser feito, os valores que os juros precisaram chegar, os cortes que precisaram ocorrer, o desemprego, etc. para sair de uma inflação de mais de 1.000% ao ano para a inflação atual?

        E claro, a inflação é o sintoma; a causa é que o Brasil era uma verdadeira zona. Leia o livro “3000 dias no bunker” de Guilherme Fiuza se quiser saber do que estou falando. O PT está devagarinho levando o Brasil de volta por este caminho, e vale notar que não basta um grau baixo ou intermediário de incompetência para destruir o que FHC construiu: é preciso um nível altíssimo de incompetência, do tipo que só se encontra mesmo no PT.

    • SwineOne 28/01/2016 at 16:43 #

      Alguns comentários:

      -Ajuste externo nos preços de commodities: pois é, já que o governo não se interessa por desenvolvimento tecnológico, inovação, etc. (digo assim como alguém que é sócio de uma “startup” tecnológica, e que poderia escrever um livro inteiro sobre como as burradas do governo emperram meu negócio), então vamos passar o resto da vida vendendo somente banana, soja, milho, etc. para o exterior e sofrendo com tais variações. Se a Apple tivesse sede no Brasil, e um arranjo tributário que não a obrigasse a buscar formas de sonegar impostos, ninguém estaria reclamando. Mas claro, foi um mero acidente, um acaso, que a Apple tenha nascido nos EUA e não aqui. Certamente que não tem nada a ver com o ambiente de negócios.

      -30 anos de desindustrialização: idem. Também, considere que quando os governos Lula e Dilma surfaram numa onda de commodities altos, ninguém pensou em investir em estradas e ferrovias, somente nos “campeões nacionais” como o Eike Batista, e é claro, no crédito para o consumidor que só serviu para inflar a bolha imobiliária e, no geral, a bolha de crédito brasileira, e dar uma falsa sensação de riqueza que está rapidamente se esvaindo.

      -Valor do dólar: aqui vejo a necessidade de distinguir entre o que deveria ser e o que é. Quanto ao que deveria ser, devo admitir que sempre compartilhei da mesma opinião que, partindo de 1994, o valor justo do câmbio deveria ser corrigido pela diferença da inflação brasileira da americana. Obviamente, um bom economista reconheceria outros fatores que não percebi, como essa questão da produtividade. Isso sugeriria que o dólar, ao valor atual, está razoável, e sou obrigado a concordar que seria o valor justo se os mercados fossem eficientes, e todas as demais hipóteses dos economistas fossem válidas. Como não são, deu o meu palpite, chute mesmo, feeling, que ficará entre R$ 2 e 3 e próximo de R$ 3. Admito livremente que não tenho credencial alguma para falar disso, e nunca fingi ter. Apenas acho que, se o Brasil está na situação que está e o câmbio ainda está em “só” R$ 4, há espaço para cair mediante a instalação de um governo minimamente responsável.

      -Aumento de gastos estrutural do governo: sou obrigado a admitir que eu dava uma risadinha por dentro cada vez que via a votação de um desses projetos no legislativo, mesmo sabendo que a longo prazo isso vai afundar o Brasil (e pretendo estar longe daqui quando isso acontecer, então ficarei feliz de ver o dia em que os eleitores do PT finalmente colherem o que vem plantando há tanto tempo). É errado? Claro que é! Mas não é exatamente o que o PT defende? Eles não defendem os trabalhadores, os aposentados, etc. então qual o mal de dar um reajuste? Vejo isso como um movimento do legislativo para escancarar o absurdo do projeto do PT, ao obrigar que Dilma negue tudo o que o PT sempre defendeu. Claro, para as pessoas minimamente antenadas como nós, nem precisa chegar a tal extremo para provar o ponto. Mas o eleitorado típico do PT precisa disso para cair na real.

      -Impasse político: só existe uma solução para o impasse político, e é o PT na rua (e se possível, o registro do partido cassado). Primeiro, porque enquanto houver gente com ideologia socialista no poder, nunca iremos a lugar nenhum — só trilharemos o mesmo caminho da Venezuela e da Argentina (que, aliás, já perceberam aonde isso leva e desistiram). Você acha que sairemos da crise enquanto houver um Ministro da Fazenda querendo injetar ****AINDA MAIS CRÉDITO**** na economia? Quantas vezes eles precisam bater na mesma tecla antes de perceber que não funciona? E em segundo lugar, como bem colocou um de nossos ilustres ministros do STF, vivemos hoje em uma cleptocracia. Havia roubo e corrupção antes? Sim, havia, mas querer comparar qualquer governo anterior com o PT é igual querer comparar um adolescente trombadinha com o PCC. As cifras que foram e estão sendo roubadas no governo do PT são escabrosas. Pelo resto do seu post achei até que você fosse simplesmente um cara inteligente analisando isso de forma imparcial, mas ao constatar que você ignorou a questão da corrupção, sou obrigado a concluir que você é algum tipo de economista da Unicamp ou coisa do tipo.

      Calote nas NTN-Bs: ora, usei o exemplo de IPCA + 8% apenas como isso, um exemplo, um chamariz para a época excelente que vivemos, com as taxas altíssimas que estão disponíveis para quem quiser cair fora do ciclo de consumismo e poupar ao invés. Como todo investidor que se preze, você deve diversificar, isso é óbvio. Inclusive investindo um pouco em NTN-B e correndo o risco de calote.

      O que estou fazendo é ideológico, é raivoso, etc.? Se eu estivesse discutindo com alguém que afirma que o sol é o centro do mundo, que a terra é plana, que cigarro não aumenta a incidência de câncer de pulmão, ou qualquer coisa do tipo, você me rotularia da mesma forma? Pois bem, argumentar a favor do socialismo é tão ruim quanto isso, e vejo que deve ser combatido do mesmo jeito.

      Aliás, depois do estelionato eleitoral do PT e do que fizeram com a Marina Silva (o que achei ótimo, adoro ver comunista sendo massacrado, mas o ponto é que não é assim que o debate político deveria acontecer), como que algum petista quer ter moral para desqualificar o estilo de debate de qualquer outra pessoa ou organização?

    • Leonardo 28/01/2016 at 18:44 #

      Bons pontos de discussão, mas chegamos num momento onde não é necessário torcer contra ou a favor. O governo por si só já toma decisões esdrúxulas a cada mês, infelizmente. Isso independe de nossa “torcida”.

      Concordo com parte de seus pontos e também concordo parte dos pontos do Swine. Eu realmente não sei se fazer viagens no Brasil sairá tão mais em conta também, pois as coisas não ficaram baratas aqui. Nosso “câmbio interno” é a nossa inflação persistente. O real vale cada vez menos reais.

      No final, cada um toma suas próprias decisões com seu dinheiro. Não sendo dinheiro conseguido por meio de empréstimos/dívidas, já está valendo. As necessidades e prazeres variam de pessoa para pessoa.

  3. Guilherme 28/01/2016 at 21:25 #

    Olá a todos, principalmente ao Cristiano e ao Fernando,

    Sim, Cristiano, esse é um blog que trata sobre “pontos realizando sonhos”, que é o objetivo principal do blog.

    Contudo, sabemos que, no contexto atual, tem sido cada vez mais difícil acumular pontos para realizar sonhos, e o texto que eu “importei” do comentário do Swine teve como finalidade primordial trazer ao leitor reflexões que considero oportunas sobre o momento em que o país se encontra.

    Independentemente dos fundamentos da explicação do Swine, o que me chamou a atenção foram as conclusões dele, que podem e devem ser analisadas à luz do contexto em que vivemos.

    Quanto às ideias do Swine acerca de questões de natureza política/social/econômica, é natural que ocorram divergências, e é igualmente natural que haja debates e pontos-de-vista divergentes.

    Porém, nesse caso, é preciso separar o problema da pessoa. Ou seja, separar o conteúdo (do assunto que está sendo discutido )da pessoa que está levantando esse tipo de assunto. Pode-se divergir do conteúdo, mas não acho legal fazer isso atacando a pessoa.

    Bem, estabelecidas essas premissas, considero válidas as discussões e debates na caixa de comentários, pois cada um pode expor sua opinião, e o leitor interessado terá subsídios para se ajustar a um lado ou a outro.

    Apesar de o assunto tratado nesse post não ter a ver diretamente com milhas e pontos, tem a ver com as finanças, e, nesse ponto, faz uma intersecção direta com educação financeira e finanças pessoais, temas que me são caros, e que procuro “inserir” nessa blogosfera de viagens, pois o brasileiro em geral carece de educação financeira até na hora de planejar suas viagens.

    Bom, a participação de todos é importante, e cada um pode participar avaliando a conveniência e oportunidade de inserir sua visão nos comentários! 🙂

    De minha parte, posso assegurar que o blog continuará dando muitas dicas úteis para o leitor otimizar ao máximo seu dinheiro na hora de realizar suas viagens, pois essa é uma comunidade onde a troca de ideias e experiências faz com que cada participante possa ter o máximo proveito das informações disponibilizadas.

    Em suma: eu quero é que todos viagem bem, mas, acima de tudo, que isso ocorra sem prejuízo de sua saúde financeira ou pessoal (física). 😀

    Abraços a todos!

    • SwineOne 29/01/2016 at 07:04 #

      Guilherme,

      Não é por nada não, mas após deixar o assunto ruminando por uma noite, cheguei à conclusão que os dois comentaristas acima devem ser aqueles conhecidos por MAVs (Militância em Ambientes Virtuais, algo do tipo), pessoas pagas pelo PT para atacar críticas feitas ao partido. O estilo e o formato dos comentários entrega isso. Ambos mencionam que são “taxados de petistas”, como se fosse uma ofensa (bom, pensando melhor, é sim uma ofensa) como forma de induzir o leitor a pensar que é impossível que sejam petistas, quando na verdade são apenas funcionários do partido.

      Em se confirmando esta hipótese, o debate é uma perda de tempo, pois como já li por aí, “é difícil fazer um homem compreender algo quando seu salário depende, acima de tudo, que não o compreenda”.

      • Fernando 29/01/2016 at 10:51 #

        Eu ia até responder. Mas depois que eu vi que ficou “ruminando” eu entendi o motivo do comentário.

  4. Felipe 29/01/2016 at 15:09 #

    SwineOne,

    Entendo o seu ponto de vista mas essa discussão política não vai levar a nada, somente a mais discussão e o nível vai baixar. A grande questão, pra mim, não é somente o PT, mas sim toda a política. O PT está arruinando tudo? Sim, está! Mas tem todo um sistema político no qual o partido está inserido e que não procura o bem da população, vide as ações infantis do Congresso, que vota contra projetos somente no intuito de ser conta o governo e nada mais! O país precisa com urgência de uma reforma tributária, política e de uma diminuição do governo, e isso não está na pauta da nossa política. Toda vez que um político, especialmente em época de eleição, usa a palavra “democracia”, tenho uma vontade enorme de cuspir na cara dele! Me enoja usarem essa palavra quando governam contra o povo. Outro grande problema é que o povo também não é inocente…a corrupção está em todas as esferas da nossa sociedade, não somente a política, por isso os que, dentre o povo, são corruptos, certamente procurarão manter esse status quo. Por tudo isso, tem horas que a vontade é de largar tudo e ir embora daqui, não fosse a minha família.

  5. Cristiano Andrade 30/01/2016 at 19:03 #

    Guilherme,
    Podemos falar por email?
    Esse swine segue o nível baixo e você como dono do blog deveria molderar.
    Sim, para mim ser chamado de petista é uma ofensa, porque não sou e não concordo com modelo de poder e de país proposto por eles, assim como de outras frentes partidárias.
    Eu não me escondo em pseudônimos, não tenho motivos pra isso, talvez parte da patrulha ideológica financiada por partidos políticos seja alguém que se esconde atrás de um pseudônimos.
    Se o cara não sabe ter o mínimo de interpretação de texto porque tem conceitos pre-estabelecidos e falta de conhecimento e base teórica pra discutir…
    Aprendi com professor Gesner Pereira (suíno, dá um Google pra saber quem é) a não achar. Cikte fontes, baseie sua tese. O suíno pega uma opinião acadêmica ou técnica de econometrista (será que ele sabe o que é econometria?) e ignora, afinal o “feeling” dele não concorda. Baita achismo, na FGV durante aula do Gesner seria solicitado a me retirar com retórica como essa.
    O suíno ignora estudos de origem inflacionária dos anos 80/90 de Persio Arida, Edmar Bacha, Delfim Neto e Gustavo Franco(entre outros) sobre a inflação inercial, sobre a âncora cambial e seus efeitos nefastos a industrialização e perda de competitividade do país (Persio Arida deixou o governo em 95 por discordar da âncora cambial e previu o esgotamento de reservas anos antes da crise de 98).
    A mesma política de apreciação desastrada do câmbio que nos levou a crise cambial de 98 nos levou a crise atual. O ajuste: maxidesvalorização + ajuste fiscal. A diferença é que o desastrado governo Dilma foi incapaz politicamente de realizar o ajuste fiscal.
    Mas em comum, tanto os governos Geisel/Figueiredo/Sarney (responsáveis pelo default de 86), quanto FHC (crisede 98), quanto Lula/Dilma (crise atual) foi a falta de política de desenvolvimento de P&D, novas indústrias, e ainda piorando com aumento de carga tributária no setor produtivo.
    Ao suíno, que não sabe fazer interpretação de texto e usa pseudônimos num singelo blog de viagens, deve ser difícil debater e admitir que o mundo não é binário, pois isto torna a compreensão do mundo mais complexa (e é!!!). Não sou comunista, longe disso aliás! Não sou petista, também longe disto! E não sou alienado!
    Continuando, saquei meus investimentos do Brasil, porque brasileiros como o suíno me fazem perder a crença deste país, gente que prefere a merda apenas pelo prazer de ver seu rival se dar mal, não importa se vamos todos juntos pro fundo do poço. Ele deveria fazer o mesmo, já que na visão dele a quebra é iminente (65% de endividamento público necessitará um ajuste…. Não duvide que seja uma renegociação da dívida) e com a sociedade jogando contra o ajuste virá ainda antes.
    O problema maior do covarde do suíno é sair acusando pessoas e se esconder no anonimato. Isso é falha de caráter! Eu tenho nome é sobrenome aqui publicado, assim funciona o ambiente democrático. Aliás o dia que acabar democracia nesse país, seja por um governo totalitário de esquerda ou de direita, deixo o país em 30 dias ou menos. Enquanto isso convivemos democraticamente com gente que se esconde no pseudônimos para cobrir a falta de profundidade e se sustentar no “achismo”, aquela ciência oculta extraordinária.

    • Fernando 30/01/2016 at 19:17 #

      Concordo com tudo, menos em chamar o cara de suíno. Ele não é suíno, é ruminante, ele mesmo já deu a dica.

Leave a Reply

0 Flares Twitter 0 Facebook 0 Google+ 0 0 Flares ×