Tudo Azul finalmente lança seu cartão de crédito: impressões iniciais

1 Flares Twitter 0 Facebook 0 Google+ 1 1 Flares ×

Depois de anos de espera, e conforme eu sempre havia questionado (e sugerido) no Aquela Passagem, o programa de fidelidade Tudo Azul finalmente lançou seu cartão de crédito, em parceria com o Itaucard.

E aqui já vai o primeiro ponto negativo: tinha que ser justo com o Itaú, reconhecidamente o pior banco para os milheiros?

Todos sabemos que o Itaú tem se tornado, ao longo dos anos, a última opção em termos de cartões de crédito para os acumuladores de milhas: há deságio na transferência de pontos do programa do cartão Itaú para as empresas aéreas (é o único banco que faz isso); não há isenção de anuidades, nem mesmo para volume de gastos (com exceção dos cartões para correntistas); tem o pior call center do Brasil, com atendentes muitas vezes grosseiros e mal-educados; tem a pior cotação do dólar para a conversão das compras em  pontos – que já chegou acima de R$ 3, isso mesmo, três reais cada dólar, e pior, isso foi confirmado pelo próprio Twitter oficial do banco; enfim, daria para escrever 200 parágrafos enumerando a quantidade de pontos negativos dos cartões Itaucard para os acumuladores de milhas.

Sabemos que o Smiles tem parcerias, na área de cartões de crédito, com o BB e o Bradesco, e o próprio Itaú tem parceria com a TAM.

Logo, seria de se imaginar que o Tudo Azul buscasse uma parceria com outro banco para fazer seu cartão de crédito, sendo que a opção natural recairia sobre o Santander – já que o Citibank tem parceria com o AAdvantage, e o HSBC aparentemente não tem “musculatura” para fazer um cartão de crédito com poder de alcançar “as massas”. A Caixa também seria uma opção, mas sequer é possível (ainda) transferir os pontos dos cartões Caixa para o Tudo Azul, então…

Enfim, a parceria está feita, e temos que trabalhar com essa realidade.

Pegando logo as características da versão Platinum, podemos ver no quadro abaixo o leque de benefícios oferecidos:

Cartão Tudo Azul Itaucard

Como pontos positivos, destacamos os seguintes:

– 10% de desconto para compras de passagens Azul: será que isso será válido para qualquer tipo de tarifa?;

– 2,5 pontos no Tudo Azul para cada dólar gasto na Azul;

– 6 cortesias anuais para o Espaço Azul (assentos com maior espaço entre as poltronas);

– 8 traslados residência, aeroporto, hotel, válidos somente para o titular do cartão;

– 1 bagagem extra nos voos internacionais da Azul;

– cliente automaticamente classificado para a categoria Safira do programa Tudo Azul.

– bônus de 10 mil pontos Tudo Azul.

Como pontos negativos, destacamos os seguintes:

– Em compras normais, cada dólar corresponderá a apenas 1,5 ponto no Tudo Azul. Gente, é muito pouco. Tudo bem que está em linha com os demais cartões do segmento Platinum, mas é inferior, por exemplo, ao Smiles Ourocard do BB, que pontua 2 pontos por dólar. Além disso, perde feio para alguns cartões mais sofisticados, como o TPC, da Amex, e o Master Black Unlimited, do Santander, que pontuam 2,2 pontos por dólar, ou seja, quase 50% a mais de pontos. Duvido que quem tenha um cartão desses (TPC ou Black Unlimited) vá querer usar o Tudo Azul Platinum nas compras a crédito.

– Em compras na própria empresa aérea, o valor de pontuação (2,5 pontos) é menor do que no concorrente Smiles BB e Smiles Ourocard. Vale lembrar que compras de passagens Gol com os cartões de crédito co-branded permitem o acúmulo de 3 pontos por cada dólar. Esses 3 pontos por dólar também são obtidos nas compras de passagens na American Airlines utilizando-se o cartão Citi Master Black. Portanto, essa pontuação de 2,5 pontos fica abaixo dos concorrentes, e não é assim tão boa quanto se poderia imaginar.

– Ser um cartão Itaucard: por todos os motivos listados acima. Esperem, portanto: dificuldades na negociação da anuidade, dólar extremamente alto na conversão dos pontos, mal atendimento no call center etc. etc. etc.

– Não há possibilidade de escolher a bandeira Visa: esse ponto negativo fala por si só.

– O bônus de 10 mil pontos só será obtido, ao que tudo indica, se você atingir compras que resultem em 10 mil pontos. Considerando o dólar “Itaú” a R$ 2,80, você precisaria gastar, no cartão, algo em torno de R$ 20 mil em compras (isso dá em torno de USD 7.142, com o dólar Itaú a R$ 2,80, o que, multiplicado por 1,5, resulta em 10.714 pontos Tudo Azul). Cara, haja gastos!

– Inevitável extinção do enquadramento automático da categoria Safira com a futura entrada da Azul na Star Alliance: quando a Azul entrar na Star Alliance, seu programa de fidelidade terá que se ajustar aos níveis de associação dessa aliança global. Será que quem for Safira se equiparará ao nível Gold da *A? Duvido. Ou o nível Safira será rebaixado (com a criação de uma categoria superior no Tudo Azul), ou o cliente Tudo Azul Platinum perderá direito a esse benefício. Ou então a Azul não ingressará na Star. 😛 De qualquer forma, esse cartão mal começou e já podemos vislumbrar um benefício “marcado para morrer”, ou, no mínimo, sofrer um downgrade.

– Transferência de pontos somente para o Tudo Azul: essa é uma consequência lógica inerente a todos os cartões co-branded, já que, ao optar por esse cartão de crédito, você perde a possibilidade de usar os pontos de compras a crédito em todas as demais empresas aéreas. Isso, no caso da Azul, ainda é agravado pelo fato de ela ainda não integrar nenhuma aliança aérea, o que só piora as coisas. Eu tenho uma regra de bolso quanto à utilização dos cartões de crédito para compras: sempre dou preferência ao cartão que permita o maior leque possível de escolhas de programas de fidelidade. Assim, eu maximizo a vida útil de cada ponto obtido.

– Validade dos pontos de apenas 2 anos: outra consequência lógica inerente a todos os cartões co-branded, já que, como os pontos caem direto na sua conta do programa de fidelidade, quanto menor o prazo de validade dos pontos, menor será a vida útil deles. No caso da Azul, isso é agravado pelo fato de o Tudo Azul ter um prazo de validade de apenas 2 anos para os pontos. Somente a título de exemplo, vale mencionar que no Smiles o prazo de validade chega a ser de até 6 anos, para clientes Diamante, e, no AAdvantage, da AA, os pontos são vitalícios, desde que haja uma movimentação na conta a cada 18 meses.

Conclusão

A conclusão é inevitável: poderia ser melhor. O fato de o cartão ser um Itaucard já mata mais da metade de seu valor, pois muitos dos benefícios do cartão dependem exclusivamente do banco emissor (tais como a cotação do dólar utilizado na conversão dos pontos, o valor da anuidade e a possibilidade de sua negociação, a qualidade de atendimento do call center etc. etc. etc.).

Além disso, existe outro fato bastante negativo, relacionado agora ao programa de fidelidade Tudo Azul: a inexistência de uma tabela de resgate de pontos. Simplesmente, eles colocam a quantidade que bem entenderem em cada trecho. Assim, por exemplo, um trecho GRU-FOR chega a custar até 35 mil pontos por perna, sendo raros os casos em que se consegue um valor mais razoável. Alguém já viu uma passagem Sul-Nordeste por 10 mil pontos no Tudo Azul?

Essa “insegurança” e falta de previsibilidade no resgate de pontos também torna o programa pouco atrativo. Afinal, de que adianta fazer promoções de transferências de pontos com o dobro de pontos se para resgatar é preciso o quádruplo de pontos?

Não tenho dúvidas de que mesmo alguns dos pontos positivos do cartão, enumerados acima, tendem a ser extintos com o decorrer do tempo, especialmente o bônus de 10 mil pontos, a classificação automática para a categoria Safira, as 6 cortesias para o Espaço Azul e os 8 traslados. Também esperem reajustes anuais no valor da anuidade.

Esse cartão Tudo Azul Platinum, no conjunto de benefícios oferecidos, é melhor do que o TAM Platinum (alguém ainda usa?), mas fica abaixo dos benefícios oferecidos pelos cartões Citi Master Black (mais por conta do programa AAdvantage do que pelo cartão em si) e Smiles BB e Smiles Bradesco.

Tagged as: ,

2 Comments

  1. Ricardo C. 28/09/2014 at 08:15 #

    Realmente o itau se tornou o pior cartão do mercado brasileiro. Já abandonei desde que começaram com o deságio de 20%.

    • Guilherme 28/09/2014 at 15:12 #

      Exato!

Leave a Reply

1 Flares Twitter 0 Facebook 0 Google+ 1 1 Flares ×